website statistics

Hey — essa é a versão antiga do nosso site, e está no ar por motivos históricos. Nós migramos para uma versão moderna e atualizada! Passa lá!

Viver fora é pagar mico

Eu sempre fui pagador de mico, mas quando cheguei na Holanda a coisa ficou séria e larguei o status amador pra virar pró na aquisição de símios.

Tenso.

A vantagem do mico é... bem as vantagens do mico são duas: um, aprendizado pela dor e humilhação (você tende a se lembrar dele) e dois, entreter pessoas com a sua história.

Aprender eu aprendi, agora vamos à parte do entretenimento, onde compartilharei contigo micos épicos que paguei. E à vista.

Ducs Pagando Mico
Dois símios de pequeno porte, faz favor. Isso, pra viagem.

Acordei com meu coração pegando fogo, e por coração quero dizer o telhado

Ah, você sabe como se grita "FOGO! SAIAM DAÍ OU VÃO TODOS MORRER" em holandês? Eu não sabia... tudo o que eu sabia é que eram 4 da manhã e eu havia acordado com pessoas arrombando a nossa porta aos berros. Calmamente eu avaliei a situação e concluí que era hora de entrar em pânico.

Leia o micaço todo aqui:

O dia em que meu prédio na Holanda pegou fogo

Aviso para mentes mais delicadas e sensíveis: o texto contém alguns palavrões, mas você há de concordar que foram justificados.

E eu sempre achei que "armadilha de turista" era figura de linguagem...

Estávamos em Barcelona, visitando um pequeno museu na entrada do Parque Güell (uma linda atração, aliás), quando resolvemos descer para ir embora porque faltava 15 minutos pra fechar o lugar. No térreo, encontramos tudo apagado. Mau sinal. Porta fechada, trancada, todas as janelas fechadas, ninguém na casa, estávamos presos no museu. Péssimo sinal.

Péééééééssimo sinal.

Descubra como saímos dessa no artigo:

Presos no museu

Indiana Duc no museuzinho da perdição

Quando uma tarefa simples vira um vexame épico

Estávamos fazendo uma viagem de carro na Suíça, e silenciosamente evitávamos pensar numa pequena falha em nosso plano:

Nós não sabíamos abastecer o carro.

Entre sorrisinhos nervosos dizíamos: "quão difícil pode ser, vai?"

"Bastante. Muito bastante" é a resposta, aparentemente. Esse mico me fez adotar, momentâneamente, a cidadania argentina. Se for ler só um mico meu, leia esse:

Como aprendemos a abastecer um carro na Europa

(Pra você ter uma base de quão épico foi o vexame, esse é o único artigo do Ducs que minha sogra leu e gostou. Adora compartilhar pra todo mundo.)

(Suspiro).

"Amigo, você veio pagar o quê aonde?!"

A pergunta acima foi feita por um corretor na imobiliária onde eu pagava o aluguel. Eu queria dizer "aluguel", mas pelo jeito o que eu tinha ido pagar era um belo mico.

E ainda bem, se quer saber. Porque eu descobri isso: se você não tá pagando mico, você tá fazendo errado; ou melhor, não está fazendo. Nada.

Aprender envolve arriscar, e sem erro não há aprendizado. E quando o erro resulta em algumas risadas (algum tempo depois, ao menos), tanto melhor.

Viver fora é um tremendo aprendizado, e os micos acumulados são grande prova disso.

Sobre aprender a viver na Holanda: micos, língua, mudança e mais

Agora é sua vez...

Ok, eu comecei e agora tô ansioso: me conte os seus micos! Alegre meu dia com um King Kong pago à vista e que adorna sua sala até hoje em noites frias. Eu sei que você tem um.

Todos temos.