O que fazer no Porto em um roteiro de 3 dias

Mesmo sem ainda saber o que fazer no Porto, eu já gostava da cidade, porque vamos concordar que o vinho do Porto é um excelente embaixador...

Porto estava lá, na minha mira, há anos, só esperando a oportunidade para deixar de ser sonho. E ela surgiu com o II Encontro Europeu de Blogueiros Brasileiros (II EEBB) e o convite para palestrar. De lambuja, conheceria o Porto. Parecia um bom negócio.

O que fazer no Porto: roteiro de 3 dias
Não foi exatamente uma decisão difícil...

Bom? Foi épico! Claro, a hospitalidade portuguesa é lendária, mas Porto realmente abriu o que tem de melhor para nós, e sob a organização de Rita Branco do blog O Porto Encanta e o apoio da Associação de Turismo de Porto e Norte de Portugal, fomos apresentados à um Porto... bem, encantador.

E eu vou contar como foi o II EEBB e dar as dicas do que fazer no Porto. Com um você descobre outros blogs legais para sua viagem, com as dicas você tem um pequeno guia para o Porto.

Trato feito? Embarca comigo.

A viagem de Amsterdam para Porto

Foi fácil comprar as passagens: a TAP oferece voo direto de Amsterdam para Porto, voo de ida e um de volta por dia (TP 651/652). Era esse mesmo, comprei, empolgadão.

E aí o mundo caiu em cima de mim. Foi... pesado.  Tive que ir e voltar para o Brasil num caráter de emergência.

A Rita, num gesto de sensibilidade e carinho, me escreveu dizendo que entenderia totalmente se eu precisasse cancelar minha participação.

Resolvi que iria, que Porto faria parte do meu processo de cura.

Turismo na cidade do Porto
(Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

No dia anterior à viagem, ainda abatido, tive um crise de dor - eu sabia a origem, nada havia que fazer a não ser tomar analgésicos e esperar passar. A Carla me perguntou: você vai ou fica?

Resolvi esperar até o último minuto para decidir.

As seis da tarde do dia da viagem, com voo as 9 da noite, a Carla me pergunta:

- E aí? Esse é o proverbial último minuto. Se não for agora, você não vai.

Me levantei, ainda meio torto, e fui fazer as malas.

Enquanto me preparava, se abateu sobre Amsterdam uma tempestade de vento daquelas.

Mencionei que era sexta-feira 13? Pois era.

A Carla só me olhando.

— Você vai viajar.

— Sim.

— Com dor.

— Tá passando.

— No meio de uma tempestade.

— Isso.

— Numa sexta-feira 13.

— É.

Daí você vê que eu sou mais teimoso do que supersticioso, né? Fechei a mala, me despedi dos meus dois saguizinhos (a Babyduc e o Bebêduc) e fui-me, tempestade adentro.

Daniduc pronto para tudo
Eu prevenidão

Claro que o voo atrasou. A tempestade badernou tudo os voos. Quando todos estavam embarcados, uma voz cansada de piloto começa "Boa noite senhores passageiros,  obrigado pela paciência, pois o mau tempo atrasou esse voo de Amsterdam à Lisboa, onde devem..."

Wait, what?! Lisboa?!?! Passageiros se remexendo nas poltronas, risos nervosos, comissária de bordo deslizando pelo corredor em direção à cabine...

"...correção nesse voo para o Porto..."

Ah bão, seu piloto! Entendo que o o senhor esteja cansando, mas entra os numerinhos certos aí no seu computador, faz favor!

Ele fez.

O voo dura cerca de 2h40 e foi tranquilo, na verdade, apesar dos presságios. Só préstenção que, devido à diferença de 1 hora com Amsterdam devido ao fuso horário de Portugal, você chega como se tivesse viajado 1h40.

Como ir do aeroporto do Porto para o centro da cidade

Isso foi prático, teria dado tempo de pegar o Metro, que liga o Aeroporto de Porto à cidade, com saídas a cada 30 minutos. A viagem é rápida e barata.

Basta descer ao nível -1 pela escada rolante e comprar o bilhete nas máquinas automáticas. Você vai precisar escolher a Z4, e a tarifa é de €2,45 (preço de novembro de 2015) e inclui o bilhete reusável Andantes.

Mas nem precisava me preocupar. Tinha um motorista me esperando, com meu nome e tudo. Vai, depois dessa viagem eu bem que merecia...

Os presságios não era verdadeiros e a partir desse momento minha viagem iria melhorar. O Porto estava pronto para me abraçar na mais épica das recepções.

Começou me deixando à disposição um hotel spa de 5 estrelas.

Onde ficar no Porto: conforto 5 estrelas no Sheraton Porto Hotel & Spa

<em>Copyright 2014 Matthew Shaw. Not for use by architects, interior designers or other hotel suppliers without permission from Matthew Shaw</em>
Fachada do Sheraton Porto já chega impressionando. (Foto: Copyright 2014 Matthew Shaw. Usada com autorização do Sheraton Porto)

O Sheraton já chega impressionando, com uma fachada de vidro de fazer wow, atendimento simpático e um elevador panorâmico que, como definiria a Helô Righetto do superblog Aprendiz de Viajante, era muito "celebridade".

Lindo mesmo.

No quarto, mais mimos. Ganhei uma garrafa de vinho do Porto, uma taça e um bilhetinho de boas-vindas. Eu estava exausto, então foi uma delícia ir me espalhando no espaçoso quarto.

Logicamente que isso é o estado do quarto antes de eu devidamente anarquizá-lo com a feng-badernê do Duc (Foto: Divulgação Booking.com)
Logicamente que isso é o estado do quarto antes de eu devidamente anarquizá-lo com a feng-shuê-badernê patenteada do Duc (Foto: Divulgação Sheraton, usada com autorização)

Eu tô acostumado com quarto de hotel que você tem que equilibrar o laptop no joelho pra tentar achar um sinal de wifi, mas hey, no Sheraton o sinal de wifi é constante e forte (e a internet rápida) e tem escrivaninha pro seu computador, luzinha e o pacote completo de conforto estilo business.

E foi aí que eu vi a banheira. Mas foi nela mesmo que me determinei a tomar aquele banhão, não quis nem saber que tava tarde, mergulhei na água morna e dei procedimento ao processo de me transformar numa imensa uva passa cor de rosa.

Vinho do Porto
Felizmente o Sheraton me providenciou maneiras de me reidratar, hehe. (O vinho foi cortesia do Sheraton como patrocinador do II EEBB)

No dia seguinte, já recobrado da viagem, desci. Já era hora de ir encontrando alguns dos colegas blogueiros. E finalmente conheci a Rita ao vivo. Demos um abraço - eu vim! Eu vim!

(Depois de tudo só estar ali já era uma vitória)

Recebi meu crachá do II EEBB, fomos recebidos pela Cristina Cabral, Director of Sales do Sheraton, e fomos encher o panção no café da manhã completo do Sheraton - citando o pessoal do Agenda Berlim, "entendi porque chamam isso de pequeno almoço". Hah.

Bom, ganhamos mais um brinde (um pen drive) e, já mimados e alimentados, estávamos prontos para começar o Encontro.

(E no fim foi tanto mimo que nem sequer consegui usar o Spa do hotel, mas quem usou recomendou).

Sheraton Porto Hotel & Spa
http://www.sheratonporto.com/
Rua Tenente Valadim 146, Porto
Telefone: +351 (22) 0404000
Link do Booking (eu ganho uma comissão se você reservar por esse link)
A minha estadia foi cortesia do Sheraton como patrocinador do II EEBB

Roteiro no Porto: primeiro dia

Mordomia tava boa, mas hora de trabalhar. O lugar escolhido para as palestras do II EEBB foi a Casa da Música no Porto...

O que fazer no Porto: Casa da Música, espaço de cultura para todos

Começamos bem: é um projeto do arquiteto holandês (aê, Holanda!) Rem Koolhaas e uma das principais atrações turísticas do Porto. Turísticas e locais, aliás. Os moradores usam cotidianamente a casa.

O que fazer no Porto: Casa da Música (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)
Espaçonave ou prédio? De toda a forma, a Casa da Musica tem embarque democrático e cultura para todos. Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.

O projeto surgiu como parte da escolha de Porto como Capital da Cultura na Europa em 2001. Porém o projeto atrasou e ficou pronto só em 2005.

Valeu a pena. Uma forma moderna integrada na paisagem tradicional do Porto, revalorizou a região, trouxe a população para curtir cultura e fez questão de incluir a todos, tornando-se um espaço vivo (inclusive por fora: as formas arrojadas e inclinadas atraem muitos skatistas).

O que fazer no Porto: Casa da Música

Ela recebe concertos, shows (como era de se esperar né?), mas vai mais além, tendo projetos educativos também, incluindo workshops: nos demos bem, ganhamos um espaço top para as palestras do II EEBB.

A Casa da Música também recebe visitas guiadas, para quem só quiser conhecer o espaço e seus projetos - ou você pode comprar um bilhete e assistir a um espetáculo lá.

Enquanto a super guia Marisa, que valentemente nos acompanhou por todo o II EEBB, ia nos contando tudo sobre a Casa da Música, eu não pude deixar de notar um fenômeno meteorológico estranho que ocorre no Porto, o qual estamos desacostumados em Amsterdam, especialmente em novembro.

No céu havia uma esfera de intensa cor amarelada iluminando tudo e produzindo uma sensação inédita que a Wikipédia descreve como "calor". Tirei meu celular do bolso e tava lá: "zonnig, 2o°C."

Oras, então existe em holandês uma palavra para "ensolarado"! Quem diria!

O Porto estava caprichando na recepção mesmo...

Casa da Música
http://www.casadamusica.com/
Informações aqui
A Casa da Música abriu gentilmente o espaço para as palestras do II EEBB como patrocinadora do evento

II EEBB: As Palestras

daniduc_eebb_porto
Sim é possível. Sempre! Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.

As palestras foram um sucesso, e pude aprender e ensinar, falar e ouvir. Foi lindo, e contei num artigo separado só pra elas aqui no Ducs.

Depois da falação, saímos felizes e emocionados fomos encher o pandulho de tarde, porque esse negócio de blogar dá fome.

Dica de compras no Porto: Tabuada do Chef (é "tabuada" mesmo...)

Nós seguimos de ônibus para a área da Ribeira do Rio Douro, e no caminho eu recebi uma linda lembrança por ter dado a palestra: uma tábua de cozinha personalizada com meu nome. E sim, o nome correto da marca é "Tabuada" e não "Tábua do Chef" 😉

A janta ficou até mais gostosa...
A janta ficou até mais gostosa...

A história dessa tábua de madeira é bacana demais: elas são produzidas em Portugal, e são as escolhidas pelo Jamie Oliver e eu não preciso te explicar quem é o Jamie Oliver, né?

(Eu sempre desconfiei que ele mudou o sobrenome pra Oliver só porque ele ama tanto azeite de oliva...)

Anyways, o empresário português Raúl Violante fabricava tábuas e outros produtos de madeira, só que... a coisa não ia bem. Tendo de concorrer com produtos de plástico baratos que inundavam o mercado, chegou a demitir funcionários tamanha a ameaça ao seu negócio.

Foi nessa que um importador, responsável por garimpar produtos pro famoso chef britânico, descobriu a fábrica do Raúl, contou pro Jamie, que amou a tábua...

(Dá até pra escutar ele dizendo "lovely!")

E encomendou uma leva pra vender no seu site. Uma leva tipo, umas 14 mil.

O Raúl correu recontratar os funcionários e o mundo descobriu sua maravilhosa tábua (ela é usada também no programa Master Chef de Portugal).

E, olhaí, dá pra comprar no Porto! É só ir na Busilis da Comunicação, que eles inclusive personalizam a sua também.

A Rita contou essa história num artigo para o Porto Encanta.

Ah é: eu já pus minha tábua pra trampar, porque aqui a cozinha pros duczinhos é intensa e diária e posso já dizer que ela é, de fato, lovely! 😉

Busílis da Comunicação
www.busilis.pt
Rua Ferreira Borges, 92 Porto
Minha tábua foi oferecida pelo Busílis da Comunicação como agradecimento por ter palestrado no II EEBB

Onde comer no Porto: comida boa e abundante no Fish Fixe com linda vista do Douro

Ao descer do ônibus (para os locais, "autocarro" :)) já demos de cara com um dos cartões postais do Porto. A linda Ponde D. Luis I une Porto à Gaia (oficialmente Vila Nova de Gaia) desde 1886.

Já deu pra impressionar, e aí vimos o Douro brilhando ao sol, barquinhos por ele escorrendo. Oh, rapaz!

O que fazer no Porto: vista da Ribeira
Era com essa vista que iríamos almoçar. Ohhhh, rapaz!

O restaurante Fish Fixe topou nos receber, aquele bando de mais de 40 brazucas blogueiros faladores, e pegou de frente o desafio de nos empanturrar a todos de delícias.

Onde comer no Porto: Fish Fixe
O desafio era alimentar essa galera. Hey, blogar dá fome! (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

E tenho que falar que a equipe do Fish Fixe comandada pelo Joaquim Granja e sua esposa Judite,... eles superaram o desafio!

Veio mais comida do que a gente conseguiu dar conta de comer, os garçons até tiraram onda da nossa cara "tem que comer tudo direitinho, senão não ganha sobremesa" e a gente... "AINDA TEM SOBREMESA?!"

Foi um fluxo constante de pratos estilo tapas, só coisa fina, acompanhando o tratamento VIP. Eu recomendo especialmente os bolinhos de bacalhau... e o papo simpático de todos. Além disso, eu curti o nome. Fixe é como os portugueses dizem "legal" ou "bacana". Fish Fixe é um nome muito fixe.

Ficar sentado no Fish Fixe me empanturrando de coisa gostosa, papeando e vendo o Douro brilhar ao sol com as pessoas passando foi... sei lá, mágico.

E a vista, né?

O que fazer no Porto: Ribeira
Ê vida que passa...

O que fazer no Porto: pôr-do-sol na Ribeira

A comilança foi tanta que a tarde passou e quando levantamos para seguir passeio o sol já se punha. Eu sou grande fã de pôr-do-sol e eu sei que você também, então, vai, pega um deles na Ribeira com os barcos e Gaia lentamente se acendendo na noite, segue esse conselho. Pera, deixa eu te convencer:

Passeio no Porto: vista do Douro
Consegui?

E daqui a gente foi andando para a cidade, passando por diversos pontos bacanas sob a orientação da Marisa. Se bem que nessa hora eu ganhei um casal de guias particulares, o Rafael e a Priscila do Cultuga, cultura portuguesa no Brasil. Eles moram em Lisboa, tem o blog e trabalham dando consultoria e fazendo roteiros personalizados para quem vai visitar Portugal.

E a gente foi batendo papo enquanto eles me contavam curiosidades e histórias bacanas demais. E quando paramos na frente da Livraria Lello, o Rafael foi me explicando...

O que fazer no Porto: Livraria Lello, uma das mais belas do mundo

O que fazer em Porto: Livraria Lello
(Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

Assim, a Holanda tem uma das livrarias mais belas do mundo, em Maastricht. E o Porto se orgulha de ter outra, a Livraria Lello - que ficou famosa não só por causa da beleza, mas por causa do Harry Potter.

É que a J. K. Rowling morou no Porto, sabia disso? E ela frequentava a livraria bastante e dizem que ela acabou incluindo detalhes na série. Por exemplo, a escadaria de Hogwarts foi inspirada na escadaria da Lello.

O que fazer no Porto: escadaria da livraria Lello
Se foi mesmo, não sei, sei que de fato é linda - e impressionante. (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

Imagina a perdição pra um rato de livraria que nem eu. Para fotografar dentro é preciso autorização especial e recentemente passaram a cobrar entrada de €3,00 - que podem ser descontados dos livros que comprar lá (ou seja, se você for comprar, a entrada é grátis. Vendo o acervo deles, 120 mil títulos, isso é facinho de acontecer).

Eles fizeram isso, imagino, porque realmente a livraria não é grande e lota rapidão. Entrando você vai ver o motivo.

Nós do II EEBB não pagamos a entrada e tivemos autorização para sentar o dedo no disparador...

Livraria Lello & irmão - Porto
Até olhando pra cima a Lello é bonita (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

 

Livraria Lello & Irmão - Porto
É... pode-se dizer que a livraria é bem popular... (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

(Não fala alto, mas achei até mais bonita do que a de Maastricht - que é linda, claro. Mas achei a Lello com formas mais interessantes, e por ser menor, mais aconchegante. Shhh, nosso segredo.)

Livraria Lello
R. das Carmelitas 144, Porto
Segunda a sexta: 10:00 as 19:30, sábados das 10:00 as 19:00 [Fonte]
Não precisamos pagar entrada como cortesia por participarmos do II EEBB, e obtivemos licença para fotografar

Fundação Serralves

A noite estava quase acabando, mas ia rolar ainda um jantar em nossa homenagem (tô falando que nos mimaram...)

Fundação Serralves - Porto, Portugal
Mesa posta pros blogueiros (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

Fomos pro hotel, e eu derreti mais um pouco na banheira do Sheraton (me julguem) antes de descer para irmos para a Fundação Serralves.

A Fundação é um lugar fora do centrão do Porto e cheia de atrações para serem exploradas, como o Museu de Arte Contemporânea e um parque de 18 hectares.

(Você achou que nunca ia usar "hectare" depois que saiu da escola, né? Eu achei também. 18 ha dá 180.000 m²).

Mas como fomos de noite, ficamos só no jantar mesmo... que foi lindo, gostoso e acompanhado de um quinteto de jazz que realmente agradou a galera.

Fundação Serralves - Porto, Portugal
Som bão, comida também (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

O espaço pode ser usado para recepções e festas, como foi no nosso caso, e o serviço foi impecável.

Mas estávamos exaustos, ou ao menos eu estava... logo a velha guarda do encontro iniciou um êxodo em direção ao ônibus e fomos finalmente dormir... amanhã tinha mais o que fazer no Porto.

Muito mais.

Fundação de Serralves
http://www.serralves.pt/pt/

Rua D .João de Castro 210, Porto
Nosso jantar foi cortesia como participantes do II EEBB

Roteiro no Porto: segundo dia

Apesar do cansaço, acordei cedo e empolgadão. A viagem já estava saindo melhor do que a encomenda. O primeiro programa do dia era algo bem a ver com o meu espírito amsterdamês....

Andar de bike!

O que fazer no Porto: Passeio de bike na foz do Douro com a Fold N’Visit

O rio Douro corta o Porto e deságua no Atlântico - e o passeio que fizemos segue uma ciclovia à beira da praia até a foz do Douro.

O que fazer em Porto: Foz do Douro
"Ó mar salgado, quanto do teu sal / São lágrimas de Portugal!" Me deixa citar Fernando Pessoa, o cara é gente boa! (meu versinho é um pouco pior, acho). (Na foto aparece o Forte de São Francisco Xavier do Queijo. Sem piada, é nome do forte mesmo, pode verificar. E dá pra entrar, sim, embora eu não tenha feito isso).

A empresa que nos deu o passeio como cortesia foi a Fold N'Visit. Pudemos escolher as bikes, todas (que eu vi) em bom estado e facilmente ajustáveis. Todo mundo achou uma do seu tamanho.

O que fazer no Porto: passeio de bike na Foz do Douro
...essa não... essa não... ah, essa!

Com o guia da Fold N'Visit sinalizando o caminho para todos, fomos seguindo tranquilões, aproveitando o solzim de novembro (segundo dia seguido que eu usava óculos escuros!), tirando foto, e de maneira geral curtindo.

Passeio de bicicleta pela foz do Douro
Pedala um pouquinho, fotografa um pouquinho... a paisagem é linda e o passeio muito agradável!

No caminho, dava pra ver os portuenses aproveitando o domingo fazendo o mesmo: crianças, famílias, jovens, cachorrinhos...

A foz é impressionante - e fui junto com o Rafael do Cultuga tirar umas fotos.

Foz do Douro

E quase nos perdemos do grupo, porque a gente descobriu que é fã de De Volta para o Futuro e aí já viu o nerdeamento. Eu fiquei feliz porque se é pra se perder do grupo, melhor se perder com um guia profissional, né? 🙂

Mas por causa desse, como chamarei, "desvio de percurso" acabamos perdendo uma parada com pasteis de nata (com toque de vinho do Porto - quem pode culpá-los, se eu morasse no Porto eu também ia por em tudo).

Se você for e comer, conta pra mim se tava bom 😉

Logo nos achamos e embarcamos para a próxima etapa, um clássico cartão postal do Porto...

Fold N'Visit
http://www.foldnvisit.com/
Eles tem aluguel de bikes, tours de bicicleta e a pé. O nosso passeio foi cortesia como participantes do II EEBB

O que fazer no Porto: Passeio de Eléctrico

Eléctrico em Porto, Portugal
Eléctrico em Porto, Portugal

Antes de começar vamos traduzir: brazuca chama eléctrico de "bonde" e holandês chama bonde de "tram". É tudo a mesma coisa.

Claro, na Holanda o bonde/tram/eléctrico continuou a ser usado, então os modelos foram sendo atualizados (assim como aconteceu com ônibus, metrô etc).

Porém no Porto hoje o herdeiro do tram é o metro, que eles falam métro e não metrô.

Mas o Porto preservou a memória do eléctrico (inclusive há um museu dos transportes que pode ser visitado e parece ser uma dica bacana de o que fazer no Porto com as crianças).

Parte dessa preservação é fazer um passeio com o histórico eléctrico, e foi o que fizemos.

Sacolejando pelo belo Porto, o passeio foi mais uma excelente oportunidade para termos uma visão geral da linda cidade, e, bem, por o papo em dia.

Eléctrico do Porto
Não com o condutor, ele estava ocupado...

O ponto final foi na histórica e bela Alfândega do Porto.

Passeio de Eléctrico pelo Porto / Porto Tram City Tour
Página da Sociedade e Transporte Coletivos do Porto com infos sobre o passeio
O passeio foi oferecida como cortesia aos participantes do II EEBB

O que fazer no Porto: Alfândega Nova do Porto

A construção da Alfândega causou profundas alterações na cidade do Porto do século XIX. Aterraram uma praia, abriram rua, conectaram a via férrea, tudo para agilizar o transporte e inspeção de mercadorias.

O edifício é robusto e um dos cartões postais do Porto, mas ao fim do século XX precisava de renovação. O projeto transformou a alfândega em um espaço histórico-cultural.

A Alfândega do Porto abriga hoje além do Museu dos Transportes, exposições bacanas e um centro de convenções, considerado um dos melhores da Europa.

Alfândega do Porto

Nós passamos apenas pelo prédio, mas deu para tirar lindas fotos dos lindos painéis e ficar impressionado com o imponente edifício.

Alfândega do Porto
(Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

Dali, seria hora de embarcar no Rio Douro.

Alfândega do Porto
http://www.ccalfandegaporto.com/ (infelizmente o site está em Flash e somente a versão em inglês funcionou nos meus browsers)
R. Nova da Alfândega, 4400 Porto

O que fazer no Porto: Passeio pelo rio Douro com a Douro Azul

Logo na frente da Alfândega, fomos recebidos pela empresa Douro Azul, que disponibilizou um barco de cortesia para receber os blogueiros do II EEBB. O barco da Douro Azul é obviamente moderno, mas com design inspirado nos clássicos barquinhos usados historicamente no transporte de vinho pelo Douro.

Esses barcos se chama "barco rabelo", e eram usados para transportar barris, ops, digo, pipas de vinho do Porto pelo Douro até Vila Nova de Gaia, ligando os vinhedos às caves onde o processo de fabricação se conclui.

Porto vista a partir do Douro
Note o barco rabelo tradicional atracado...

Hoje em dia, esse transporte é feito por ferrovias, e os barcos servem mais para turismo mesmo.

Navegando pelo Douro tivemos uma bela vista das cidades irmãs, Porto e Gaia, e passamos por baixo das famosas pontes sobre o Douro. O passeio fornece uma narração informativa via fone de ouvido, mas depois de um tempo eu preferi aproveitar o passeio e a vista.

Passeio pelo Rio Douro
O dia lindo ajudou, não que Porto precise de ajuda pra ser linda...

E vendo o passeio deu para ver o rio Douro vivo, sendo usado para recreação e transporte. É lindo. Isso é uma dica, viu São Paulo, você que tem dois rios grandes cortando a cidade...

Jet Ski no Douro
Curtindo o Douro de outro jeito...

(A dica serve para todas as outras cidades que mataram seus rios também, só destaquei São Paulo por conhecer tão bem).

Curtindo o sol que insistia em nos mimar no novembrão (eu sei que já falei isso, mas me dá um desconto, pra amsterdamês sol é um luxo muito grande), terminamos o passeio e desembarcamos na outra margem do Douro, já em Gaia.

Hora de almoçar, e já vimos que almoço por aqui é coisa séria e demorada.

Oba!

Douro Azul
http://www.douroazul.com/
O nosso passeio foi cortesia como participantes do II EEBB

Onde comer no Porto: boa comida e linda vista no Restaurante Barão Fladgate

Pegamos o ônibus e subimos os morros de Gaia, enquanto Marisa nos punha a par do leve bairrismo que rola entre Porto e Gaia. Os portuenses dizem que a melhor coisa de Gaia é a vista do Porto.

Visto do Porto a partir de Gaia
Avalie por você mesmo... vista do Porto a partir do Restaurante Barão Fladgate em Gaia (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

(Eu, se fosse os gaienses, responderia "o melhor produto do Porto é o vinho feito em Gaia", mas a Marisa, portuense, não contou a resposta deles, então não sei o que eles realmente dizem hehe).

De toda a forma, eles têm razão: a vista é espetacular. Porto é linda, e de Gaia você pode realmente apreciar isso.

E com a épica vista, fomos recebidos no Restaurante Barão Fladgate.

Vista do restaurante no Porto
Galera sendo recebia pela vista

Espera, deixa eu reformular. Nós fomos luxuosamente recebidos com total atenção (e vinho, muito vinho) pelo pessoal do Barão Fladgate.

Sério, eles não tavam de brincadeira. Já foram nos largando taças de vinho na mão, nos guiando por belos jardins até um salão reservado apenas para nós.

Jardim do restaurante Barão Fladgate, Porto
Quase pedi para ficar ali mesmo...

A mesa estava impecável, a comida estava impecável, o serviço estava perfeito e atencioso (levando em conta inclusive restrições alimentares de cada um, um cuidado que esteve presente por todo esse encontro, aliás).

Restaurante onde comer no Porto
Fala se os caras não sabem impressionar... (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

O bacalhau servido estava memorável, o vinho era bom e abundante (ninguém passou vontade) e quando a gente já estava de bom humor, naquele estupor gostoso de comida e bebida e companhia boa, começou a tocar uma música... empolgante.

O espetáculo estava começando...

Restaurante Barão Fladgate
http://www.baraofladgate.com/
Rua do Choupelo, 250 | 4400-088 Vila Nova de Gaia
Nossa refeição foi cortesia como participantes do II EEBB

Tuna de Medicina (A Universidade do Porto)

Tuna de Medicina do Porto
Começou até que bem-comportada, a Tuna de Medicina do Porto... (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

A Tuna é uma tradição: alunos universitários se juntam num grupo musical; tocam instrumentos, cantam e dançam. A Tuna de Medicina do Porto é uma delas, criada em 1991, e com as capas pretas tradicionais da universidade, empolgação e alegria contagiaram a brasileirada toda.

Tuna de Medicina do Porto
Aí a coisa começou a... (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)
Tuna de Medicina do Porto
...bem agitada... 🙂 (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

Cara, era impressionante a alegria e paixão que eles transmitiam, e não sobrou muito blogueiro sentado, certamente nenhum  de cara fechada.

As músicas se alternavam entre alegres e agitadas e lentas e românticas, e quando eles escolheram uma das blogueiras para fazer uma serenata, amigo, caiu cisco geral no olho da galera.

Tuna de Medicina do Porto
Fizeram serenata para Gisele do Viajar pela Europa, e ela não foi a única a ter cisco no olho...

Eles continuaram cantando e tocando e empolgando até que no final tava quase todo mundo dançando.

A gente nem queria que eles fossem embora, mas era hora. Fizeram um tradicional brinde de vinho (do Porto, preciso especificar?), um daqueles que vai construindo a expectativa até finalmente chega a hora de virar.

Viramos!

Se estiver no Porto e tiver oportunidade de ver uma apresentação de uma Tuna, eu recomendo altamente. Tem vídeo no Youtube, mas esse é um daqueles casos que tem que ser ao vivo mesmo...

Tuna de Medicina do Porto
https://www.facebook.com/TunaMedicinaPorto

O que fazer no Porto: visitar as Caves de vinho (Caves Taylor’s)

Já é hora de ir? Que pena! Mas espera, tem mais coisa legal, o dia ainda não acabou. Fomos andando para ver e aprender um pouco da história e de como é feito o produto mais famoso do Porto

As Caves da Taylor's são ali do lado. Cave, cê sabe, é o porão onde os barris são armazenados para envelhecer o vinho.

Caves de envelhecimento de vinho do Porto
Caves cheias de barris cheios de vinho do Porto... (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

A Taylor's oferece tours e degustações para os visitantes, e é uma das empresas mais antigas que fabrica e exporta vinho do Porto.

O passeio é feito bem no seu ritmo, e a essa altura nosso ritmo já estava um pouco, digamos, letárgico (e feliz).

Era hora do penúltimo compromisso do encontro, e mais uma dica de o que fazer no Porto.

Taylor's Port
http://taylor.pt/
Rua do Choupelo nº 250 | 4400-088 Vila Nova de Gaia
A visita às caves da Taylor's foi cortesia oferecia aos participantes do II EEBB

Vista do Hotel Yeatman

Nós não ficamos nesse hotel, ele apenas generosamente abriu as portas para que pudéssemos apreciar a privilegiada vista.

Porto fez sua parte e serviu de cenário esplendoroso para gente se abraçar, tirar selfies e ir dando tchau pro encontro - e muitos colegas, que já iam indo pra casa.

Mas enquanto a gente fazia isso, eu fiquei só pensando como seria aproveitar a piscina do Yeatman com aquela vista.

De toda a forma: rolou um sentimento de final de filme bom. Estávamos definitivamente encantados.

Despedida do II EEBB no Porto, Portugal
Inté Berlim, povo! (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

Só que espere, tem mais.

The Yeatman Hotel
http://www.the-yeatman-hotel.com/
Rua do Choupelo 88, Vila Nova de Gaia

Onde comer no Porto: Jantar de despedida no Restaurante NH Collection Porto Batalha

Fizemos check in no novo hotel (conto abaixo) e fomos andando para o jantar de despedida oficial do II EEBB. O nosso anfitrião seria o restaurante do hotel NH Collection Porto Batalha.

O hotel fica no centro do Porto, em um palácio recentemente renovado — eu tô dizendo que o Porto abriu o que tinha de melhor, né? — na praça da Batalha.

Nh Collection, Praça da Batalha, Porto
(Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

O staff tinha preparado para os sobreviventes do ataque de mimo dos últimos dias um jantar para dar um overview da culinária do Porto, em reinterpretações modernas. Pequenos pratos para irmos explorando a culinária local com calma.

(Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)
Incluindo, sim, a famosa francesinha. Continue lendo, chegaremos lá 🙂 (Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

Tava delícia, como diz minha filha. Mas era tanta coisa que acabei não comendo a france... Agh. vamos refrasear. Era tanta oferta de comida que acabei não experimentando o famoso sanduíche local chamado "a francesinha".

(Falarei dele mais pra frente, don't worry).

Rolou a confraternização final, trocamos presentes, cartões, sorrisos, abraços e promessas. Ficamos até tarde, falamos alto e mesmo assim fomos bem atendidos até sairmos felizes, finalmente, do II EEBB, já sonhando com Berlim.

Mas para mim ainda era um pouco cedo para isso. Ainda tinha mais o que fazer no Porto.

Antes, uma noite de sono.

Onde ficar no Porto: Flores Villagge Hotel / Spa

Voltamos para o Porto e, como eu já havia feito check out do Sheraton, a Rita havia reservado para mim e outros blogueiros que ainda ficariam, um outro hotel, bem no centro, numa rua histórica que está se valorizando novamente com comércio interessante, restaurantes e...

E o hotel que iria ficar. A Rita me deu a entender que era tipo uma pensão charmosa, mas, huh, não foi o caso.

A recepção aconchegante e elegante já deu boa impressão. Fomos atendidos simpaticamente, enquanto tomávamos, que mais, mais vinho do Porto.

Quando a atendente começou a nos dar um mapa do hotel, eu comecei a desconfiar que era bem, mas muito mais do que uma pensão. Tava no nome, Daniduc, o treco se chama "village"...

Onde ficar no Porto: Flores Villagge Hotel / Spa
Alguns dos apartamentos ao fundo, o jardim comum com fonte. O hotel era bem maior do que isso...

Fui guiado até meu quarto e eu achava que nada mais no Porto poderia me impressionar. Estava enganado.

Era um apartamento. Não um quarto, mas um apartamento, com cozinha, sala, banheiro e quarto.

Onde ficar no Porto: Flores Villagge Hotel / Spa
Papo sério, uma cozinha! Estava esperando uma suíte, me deram um apartamento.

— Tudo isso pra mim?! - estava bestificado.

— Tudo isso para si, sorriu a simpática atendente. Os meus colegas davam risada. Eu quase considerei pegar dois gatos durante a minha estadia, estou acostumado a ficar em apartamento com esposa, dois filhos, dois gatos, fiquei até desacorçoado com tanto espaço.

Isso que nem visitei o Spa, no terceiro andar. Mas visitei o jardim com fonte e achamos, graças ao casal Nicole e Pacelli, do Agenda Berlim,  um sofázinho com vista pra cidade.

Onde ficar no Porto: Flores Villagge Hotel / Spa
Essa aqui. Topa um papinho?

Ficamos nós três conversando até tarde lá, e lá nasceu a parceria do Ducs Amsterdam com o Agenda Berlim para te oferecer guias brasileiros em passeios personalizados pela capital alemã.

Onde ficar no Porto: Flores Villagge Hotel / Spa

Quando estava realmente acabado, fui dormir no meu latifúndio - e só no meio da noite eu lembrei que tava dormindo na cama sem mais ninguém, e pensei "o que estou fazendo me encolhendo num canto, deixa eu me espalhar".

E fiz algo que não fazia há anos: dormi BEM NO MEIO da cama enorme e confortável. hah! Alegria de pai 🙂

Flores Villagge Hotel / Spa
http://www.floresvillage.com/
R. das Flores 139, 4420-266 Porto
Link do Booking (se você usar esse link, eu ganho uma comissão).
A minha estadia no Flores Village foi cortesia como participante do II EEBB

Roteiro no Porto: terceiro (e último) dia

Meu voo era no meio da tarde, então dava para bater um pouco de perna ainda. Deixei minha mala na recepção do Flores e fui andar.

O que fazer no Porto: Lindos azulejos na Estação São Bento

O que fazer no Porto: Lindos azulejos na Estação São Bento

Fui direto para ver os azulejos da Estação São Bento ali do lado do hotel, dica quente do Rafa do Cultuga.

A estação de trem tem painéis gigantes de azulejos, e não custa nada para ver, é só entrar e fotografar. Você não será o único de pescoço torto fazendo isso.

O que fazer no Porto: Lindos azulejos na Estação São Bento

É linda.

O que comer no Porto: a famosa Francesinha

Antes de ir embora, do Porto eu precisava comer um dos pratos tradicionais do Porto, o famoso sanduba conhecido por francesinha, recomendado por todos que visitam o Porto.

(Vocês veem a ginástica frasal que eu estou fazendo nesse artigo inteiro pra evitar a piada óbvia envolvendo comer e francesinha, certo? Me deem um crédito por isso).

Seguinte, a francesinha é uma criação portuense, e cada lugar meio que tem a sua receita e molho secreto. Mas o princípio é: carnes diversas assadas e fatiadas, dentro do sanduíche, que é coberto de queijo derretido e mergulhado em um molho de tomate e cerveja.

É, cerveja, a cidade do vinho fez um prato típico com cerveja, vivamos todos com isso.

Pra mim o prognóstico não era bom, tendo dificuldades pessoais com diversos ingredientes, mas blogar é sacrifício (como essa viagem claramente demonstrou, *cof*), e pedi uma numa casa nova e muito simpática, indicada pela recepção do Flores, ali na mesma rua mesmo.

O que comer no Porto: a famosa Francesinha

Sim, achei delícia, o sanduba é muito saboroso e valeu a pena meu sacrifício,  e, sim, pode por aspas nisso 😉

A sério. É bem gostoso, embora um prato um pouco pesado. Vai certamente te encher o panço.

Esse foi meu almoço.

Cantina 32
http://www.cantina32.com/
Rua das Flores, 32 4050-253

O que fazer no Porto: subir a Torre dos Clérigos

Mas antes de me empanturrar com a francesinha, eu tinha tempo para um última atração no Porto. Escolhi mais um cartão postal da cidade.

A Torre dos Clérigos é a torre do sino da Igreja dos Clérigos, recentemente renovadas e reinauguradas. Na verdade, algumas partes estão sendo ainda restauradas, há andaimes e pessoas de jaleco branco trabalhando no interior da igreja.

Igreja dos Clerigos
Continua linda mesmo com andaimes

Mas antes de explorar a igreja, resolvi escalar os 76 metros da Torre. Sabe cumé, eu sou não resisto ver cidades do alto e basta ter uma estrutura centenária, cheia de viradas tortuosas, degraus irregulares e passagens armadilhentas onde só cabe um por vez, ou sobe ou desce, que é lá que eu me enfio.

Adoro.

Minha empolgação quase apagou quando descobri que a entrada de €3,00 só poderia ser paga em cash. Teria eu um par de moedas nesse mundo de dinheiro de plástico?

Tinha! Yes. O ingresso dá acesso à uma exposição sobre a Torre e sua arquitetura também, mas eu queria era enfrentar degraus. Para o alto, e avante.

Ou só para o alto mesmo.

A subida deu aquela aceleradinha cardíaca, mas foi bem factível. Já enfrentei piores. E a recompensa foi ampla.

O que fazer no Porto: subir a Torre dos Clérigos
Porto em toda a sua gloria.

Os espaços são apertados lá em cima também, então tem que rolar alguma negociação se você quiser ficar parado em algum ponto e o turista ao seu lado quiser passar (ou vice versa), mas são todos adultos e basta um pouco de boa vontade e tudo se ajeita.

Os pontos de interesse são assinalados na torre, pra te ajudar a entender o que você está vendo (e quem sabe até planejar para onde você vai agora), ou você pode simplesmente desligar o lado racional do cérebro e ficar curtindo o visual.

(Adivinha qual eu fiz?)

Logo era hora de descer, e negociei os degraus da volta rapidamente. Fui dali para a igreja.

Subindo e descendo, absorvendo a impressionante arquitetura, nem perceber a hora, e fui surpreendido com um concerto de órgão que começa exatamente ao meio dia.

Eu desci para a nave da igreja e fiquei lá ouvindo.

Igreja dos Clérigos, Porto, Portugal

 

Foi o fechamento perfeito da viagem ao Porto. Fui inundado pela beleza grandiosa do lugar, pela alegria de ter feito essa viagem de descoberta, pela saudade eterna de pedaço de mim que se foi e, em vez de segurar, deixei fluir.

Chorei copiosamente por tudo. Foi lindo. Lindo. Obrigado, Porto.

Torre e Igreja dos Clérigos
http://www.torredosclerigos.pt/
R. de São Filipe de Nery, 4050-546 Porto

Hora de dizer tchau... ok, ok, "até breve, Porto"

Porto estava confortavelmente alojada em meu coração e era hora de levá-la de volta para Amsterdam, e começar a cultivar uma saudável saudade.

A viagem passou rápido (não no relógio - hora de perder aquela hora extra de fuso que ganhei vindo pra cá) e sem incidentes, e parti ao por do sol do Porto já pensando na volta porvir.

Agradecimentos

Esse artigo não seria possível sem a ajuda e colaboração de muita gente e seria impossível listar todas elas aqui. Porém, sem demérito algum para os que não posso citar (e com minhas adiantadas desculpas), gostaria de destacar sem qualquer ordem em particular: Cristina Cabral e Mafalda Ortigão do Sheraton Porto, equipe da recepção do Flores Village por ter sido atenciosa além do esperado e me ajudado com dificuldades que eram apenas minhas, Marisa Mouta pela dedicação e profissionalismo como nossa guia, todo e cada um dos meus colegas blogueiros pelo carinho infinito e por terem praticamente cuidado de mim numa hora em que eu estava precisando, fotógrafo Rui Ribeiro, cujo trabalho ilustra muito desse artigo, Helena Gonçalves e Sandra Lorenz e todos da da Porto and Northern Portugal Official Tourism Board que fizeram de tudo para termos uma estadia perfeita, tendo inclusive a delicadeza e o cuidado de levar em conta minhas restrições alimentares, todas as empresas que patrocinaram e apoiaram de alguma forma o II EEBB, novos amigos que fiz  e aos amigos antigos que revi e à cidade do Porto por ser estupenda, mostrando sua capacidade de renovação sem abrir mão de seu rico passado.

Eu gostaria de deixar um agradecimento especial à Rita Branco, do blog O Porto Encanta. Rita organizou um evento memorável, foi uma anfitriã exemplar e superou toda e qualquer expectativa, se dedicando tanto que parecia ser uma equipe de uma mulher só. Para não perder o costume...

(Foto: CC BY-NC-ND Associação de Turismo do Porto e Norte, AR.)

OBRIGADO RITA!

Fontes

O II EEBB

Organizadora

O Porto Encanta – Rita Branco

Palestrantes

Blogs Participantes

Lista dos apoiadores e patrocinadores do  II EEBB

Ingressos pra atrações em Amsterdam

Um jeito bacana de retribuir o Ducs e ainda se dar bem é comprar ingressos online comigo. Assim você evita ficar tomando vento em fila quando você devia estar passeando… e me dá uma força preciosa!

Dá uma olhada na página de ingressos do Ducs Amsterdam

Reserva um hotel bacana aqui em Amsterdam!

Booking.com

Eu escrevi um artigo com muitas onde ficar em Amsterdam.

E se você fizer sua reserva através dos links do Booking aqui no Ducs, eles repassam uma comissão pra gente (ao mesmo tempo que você paga menos pelo hotel).

Então é uma forma de apoiar o Ducs em Amsterdam e ainda descolar um lugar legal, ter suporte em português e pagar menos! :) Todo mundo ganha!

Booking.com