No rastro do antigo muro da cidade de Amsterdam

As cidades européias estão cheias de pegadas dos séculos de história que passaram por elas. Apesar de Amsterdam ser considerada uma cidade jovem pra Europa, o ano de 1275 já vai longe e muita água rolou embaixo das milhares de pontes da cidade. Problema é, mesmo que você note aquela imensa construção na sua frente, é fácil olhar e dizer "bonito" e passar batido sem saber o que acabou de ver. Nessa hora, um pouco de pesquisa antes faz toda a diferença entre o turista comum e aqueles que buscam realmente conhecer por onde andam.

De Waag e Nieuwmarkt
Antigo portão da cidade hoje abriga um restaurante/café

Se você está procurando um roteiro de um passeio curto a pé, muito bonito e cheio de história, venha junto na caça ao antigo muro medieval da cidade de Amsterdam.

Distância: cerca de 1250m (1,25 Km)
Tempo: 20 minutos a meia hora, parando pra tirar fotos com calma 🙂
Início: Muntplein
Término: Schreierstoren, pertinho da Centraal Station

Um pouco de história: O Antigo muro da cidade

Quando Amsterdam pegou fogo e queimou até o chão em 1421, o Príncipe Maximiliano da Áustria (que mandava na região na época) liberou a cidade de pagar impostos até se reconstruir, devido à sua grande importância comercial. Mas essa importância comercial também a tornava um alvo potencial daqueles bem gordos. O Príncipe aproveitou o ensejo pra mandar Amsterdam parar de enrolar e construir duma vez um muro pra protegê-la, coisa que a cidade não tava muito a fim de fazer. Amsterdam, cercada por pântanos, se achava razoavelmente segura e não via necessidade de construir um muro. Além do quê, construir um muro de pedra num terreno pantanoso ia dar um trampo razoável: primeiro eles teriam de drenar o terreno. E por último, os asmterdameneses meio que se orgulhavam de ter uma cidade aberta.

Isso durou apenas até Amsterdam ser atacada, claro. Lá por 1480 a cidade estava metida em um stress com Utrech, e tropas da cidade rival tomaram um posto avançado de Amsterdam e lá tocaram o horror, cometendo todo tipo de violência. De repente, um muro pareceu uma grande idéia. Amsterdam passou quase 30 anos num grande e caro esforço de construir o muro. No fim ele cercou a cidade e tinha 3 portões. Foi inaugurado com pompa em 1508. Quando terminou, ele passava por aqui:

 Antigo muro de Amsterdam. Mapa personalizado por Daniel Duclos em cima de mapa © 2009 by Google Maps. Clique para ver completo.
Antigo muro de Amsterdam. Mapa personalizado por Daniel Duclos em cima de mapa © 2009 by Google Maps. Clique para ver completo.

Veja um mapa da época em que o muro existia, mostrando a cidade vista do alto. Se você clicar nele verá uma versão maior. Depois que ler o artigo todo, você pode se divertir indentificando os locais por que passou, claramente representados no desenho 🙂

"Visão de um pássaro de Amsterdam", pintura de Cornelis Anthonisz mostra a cidade em 1536
"Amsterdam na visão de um pássaro", gravura de Cornelis Anthonisz feita em 1544 mostra a cidade em 1538. A gravura original está no Rijksmuseum, e a pintura do mesmo autor na qual ela se baseia está no Museu Histórico de Amsterdam.

Infelizmente, apesar de todo o esforço para construí-lo, cerca de cem anos após sua inauguração o muro era apenas uma curiosidade entre os habitantes, sem função devido à expansões da cidade. Em 1600, foi demolido. Sobreviveram à destruição apenas três pontos, que podem ser visitados hoje. Vamos ver quais.

Primeira parada: Munttoren

Como chegar?

Vamos começar o passeio na Muntplein. Pra chegar nela, vindo do Dam, simplesmente desça a Rokin. Se vier da Rembrandtplein, suba reto pela Reguliersbreestraat. Se estiver fazendo compras na Kalverstraat, a Muntplein fica no fim dela. Passam perto os trams 4, 9, 14, 16, 24 e 25, então não tem como errar. É aqui, ó:


Ver o mapa grande

O que ver?

Munttoren
Outro antigo portão da cidade, até hoje é passagem muito usada

Na Muntplein se localiza a Munttoren. O nome esquisito quer dizer algo como "Torre da Moeda". Antigamente a torre era parte do Regulierspoort, o portão sul do muro da cidade. Já sem função em 1613, destruíram a parte direita do muro pra construir uma fábrica de vidros. Em um incêndio dois anos mais tarde, apenas a casa da guarda e uma parte de uma das torres do portão sobreviveram. A torre foi reconstruída no bonito design que existe até hoje, com relógios e um carrilhão.

Não sabe o que é um carrilhão? É um instrumento musical feito de sinos. Você pode ouvir o carrilhão da Munttoren tocando automaticamente nos quartos de hora. E de sábado, entre duas e três da tarde, o tocador de carrilhões oficial da cidade (sim, isso existe) dá um  concerto ao vivo na torre. Eu já ouvi e é lindíssimo.

Munttoren
1620, ainda ontem de manhã

E de onde que vem o nome Munttoren? Em 1672 o bicho pegou pra Holanda: Inglaterra, França e mais algumas cidades alemãs declararam todas ao mesmo tempo guerra total à Holanda. No "ano do desastre", como os holandeses carinhosamente apelidaram o período, ficou altamente inseguro transportar ouro e prata, o material de que eram feitas as moedas, pela Holanda, com tantos exércitos invasores por aí. Daí Amsterdam recebeu permissão especial pra cunhar suas próprias moedas. E adivinha onde eles começaram a fazer isso? Biduzão.

Atrações perto

Mounttoren e mercado das flores

Antes de continuar viagem, você pode aproveitar e olhar o famoso mercado flutuante das flores, ali do lado na Singel. Ou você pode descer 150 metros até a Rembrandtplein, uma praça famosa cercada de bares e cafés. Pronto pra continuar?

Rembrandt na Rembrandtplein
Rembrandtplein

Segunda parada: Nieuwmarkt e De Waag

Como chegar?

Saindo da Muntplein, procure o Hotel de L'Europe. Atravesse em direção à ele. Do lado esquerdo tem uma ponte, atravesse por ela e basicamente vá andando reto até ver o De Waag no Nieuwmarkt.


Ver o mapa em tamanho grande

O que ver?

De Waag e Nieuwmarkt

A esta altura você já avistou a construção em forma de castelo. A praça em volta dele chama-se Nieuwmarkt, espaço para feiras construído depois que o muro foi demolido (daí o nome: Mercado Novo). Até hoje tem feira lá todo o dia. E de sábado tem uma feira orgânica.

A construção em forma de castelo chama De Waag, e era o outro portão da cidade. Sem o muro, ele ficou sem servir pra muita coisa, mas logo o converteram na casa de pesagens do mercado. Antes do estabelecimento de pesos e medidas internacionalmente aceitos, era muito importante um lugar público onde os pesos das mercadorias fossem controlado, e pra isso servia a casa de pesagens (em holandês: De Waag. Achou a origem do nome? 🙂 )

De Waag e Nieuwmarkt

Hoje opera lá um restaurante/café. Apesar de um pouco caro, é interessante tomar um café em uma construção mais antiga do que o Brasil (o De Waag foi construído em 1488). Nós jantamos lá certa vez e a comida era excelente, apesar da Carla ter pago um dos sucos de laranja mais caros do mundo. Tá, não sei se do mundo, mas dos Ducs foi.

O Nieuwmarkt também tem uma história triste: durante a ocupação alemã na Segunda Guerra Mundial, a praça era cercada por arame farpado e lá se reuniam os judeus dos bairros judaicos que iriam ser mandados para os campos de concentração.

Atrações perto

Perto do Nieuwmarkt há a pequena Chinatown de Amsterdam. Mas uma atração bem mais popular é o De Wallen - o famoso Red Light District, onde as meninas se exibem nas vitrines para turistas, clientes e moradores. A Oude Kerk (Igreja Antiga) também fica ali perto, marcando o início oficial do Red Light District. É sempre curioso de ver uma igreja cercada de prostitutas a trabalhar, e a polícia a patrulhar tudo. Bem-vindo a Amsterdam.

Terceira parada: Schreierstoren

Como chegar?

Basicamente, continue reto depois do Nieuwmarkt subindo pelo Geldersekade. É bico. Ao longe você já avistará a seção do muro conhecida como Scheierstoren. É, desta vez, nada de portões.


Ver o mapa grande

O que ver?

Schreierstoren

O Scheirentoren é uma seção do muro que ficava bem no canto, no finalzinho dele. A origem do nome é controversa. Em holandês "schreien" é chorar. Como a torre (a mais antiga que ainda está de pé - lembre-se que a Munttoren foi reconstruída) fica na frente pra baía, logo se formou uma lenda que as esposas e mães iam até ela chorar ao dar adeus aos bravos marinheiros holandeses que partiam em direção à terras estranhas. Nossa, só de escrever meus olhos se encheram de lágrimas. Infelizmente é tudo mentira. O nome vem de schreye, agudo, afiado. Se você reparar na forma, irá notar que a construção é feita num ângulo agudo por ficar no canto do muro.

Lá também tem um café, se você estiver no pique.

Schreierstoren

Atrações perto

Ah, já acabou? Bem, pertinho tem a Igreja de São Nicolau (Sint Niklaaskerk), santo padroeiro dos marinheiros (e daí, de Amsterdam) e das criancinhas (dando origem à figura do Papai Noel).

Bônus: Logo perto você também avista a estação central (Centraal Station). Mas como bônus em seu passeio, sugiro fazer o seguinte: Vá em direção à Centraal Station, atravesse a ponte (Kampersbrug), vire a direita e passe pelo terminal de ônibus. Vá reto e pegue uma passarela sobre a baia. Você deve estar vendo o restaurante chinês flutuante na sua frente. Vá indo. Logo depois dele, a sua esquerda está o prédio da biblioteca municipal de Amsterdam (Openbare Bibliotheek Amsterdam). Entre nela. Vá subindo as escadas rolantes, vendo o interessante design, até o último andar. Procure uma escadaria larga e suba-a. Você sairá no restaurante self-service da OBA. Vá até a sacada do restaurante e aproveite uma linda vista da cidade de frente pra você.

Restaurante chinês Nemo Amsterdam

Se quiser, pegue um doce no La Place, e faça uma parada mais econômica, aproveitando a vista. Tem banheiro (não precisa consumir no restaurante pra usar, mas custa €0,20) e pode ser um bom ponto de pit-stop no seu turismo por Amsterdam.

O caminho completo

Aqui está um mapinha do Google com o caminho completo. Se você clicar na opção "Ver o mapa grande", irá abrir a página do Google. Ache a opção "Print" e imprima o roteirinho pra você 🙂


Veja o mapa grande

Fontes

A partir daqui você pode ignorar, a não ser que você realmente seja fanático por história e queira pesquisar mais por você mesmo. Estas são as fontes que eu consultei pra escrever este artigo.

Berts Geschiedenis - Sint Antoniespoort (Amsterdam) (1488)
Berts Geschiedenis - Stadsmuren en -poorten van Amsterdam
Berts Geschiedenis - Regulierspoort (Amsterdam) (1480 - 1487)
Berts Geschiedenis - Stadswallen, poorten en torens
Google Maps - Amsterdam
Lonely Planet - Amsterdam (p. 77)
Mak, Geert. Amsterdam - A Brief life of the city. (pp. vi, vii, 46, 56-59)
Time Out Amsterdam
Wikipedia - Nieuwmarkt
Wikipedia - Munttoren
Wikipedia - Rampjaar
Wikipedia em NL - De Waag (Amsterdam)
Wikipedia em NL - Munttoren (Amsterdam)

Ingressos pra atrações em Amsterdam

Um jeito bacana de retribuir o Ducs e ainda se dar bem é comprar ingressos online comigo. Assim você evita ficar tomando vento em fila quando você devia estar passeando… e me dá uma força preciosa!

Dá uma olhada na página de ingressos do Ducs Amsterdam

Reserva um hotel bacana aqui em Amsterdam!

Booking.com

Eu escrevi um artigo com muitas onde ficar em Amsterdam.

E se você fizer sua reserva através dos links do Booking aqui no Ducs, eles repassam uma comissão pra gente (ao mesmo tempo que você paga menos pelo hotel).

Então é uma forma de apoiar o Ducs em Amsterdam e ainda descolar um lugar legal, ter suporte em português e pagar menos! :) Todo mundo ganha!

Booking.com

3 comentários em “No rastro do antigo muro da cidade de Amsterdam”

Deixe um comentário

Notifique-me de novos comentários via e-mail. Você também pode se inscrever sem comentar.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.