O melhor guia online sobre Amsterdam, em português” – Estadão

Paris seguindo as dicas dos locais: comida e hospedagem

por Daniel Duclos em 08/08/2011

A primeira vez em que fomos à Paris, nós piramos na batatinha e saimos pela cidade em um rodamoinho daqueles do Tazmania.

Fizemos o roteiro esgota-turista completo, com Louvre, subir no Arco do Triunfo, subir e descer a Champs-Élysées, Notre Dame, barquinho pelo Sena, e ver a cidade luz se acender de cima da Torre Eiffel conforme o sol se punha.

Não me arrependo — não vejo nada de errado em conhecer as atrações turísticas de um lugar, e essa era a viagem que queríamos fazer na época.

Mas pra volta, resolvemos fazer uma viagem diferente e fazer de conta um pouquinho que moramos em Paris.

Também é legal dar uma espiada no que a cidade tem a oferecer para seus moradores, ter um gostinho de uma outra vida. E foi o que resolvemos fazer em Paris.

Paris Notre Dame

Brincando de morar em Paris por uma semana

Eu sei que morar numa cidade é outra coisa, e você não realmente mora em um lugar até passar pelos perrengues do dia-a-dia, dia após dia. Passar uma semana não é morar.

Mas fingir que mora é um estilo de turismo, e um que queríamos experimentar agora em Paris. Em vez de reservar um hotel, resolvemos alugar um apartamento e, em vez de ficar com o tradicional Lonely Planet, nos armamos de uma série de dicas de moradores e ex-moradores de Paris.

Os nossos "guias" para uma Paris local

Escolhemos alguns blogs de moradores pra nos nortear:

  • David Lebovitz — (em inglês) David é um americano que mora em Paris e tem um popular food blog. Ele escreve excepcionalmente bem (você poderia pensar que isso é um pré-requisito pra ser blogueiro, mas eu e você sabemos que não), é divertido e engraçado e seu blog é cheio não só de excelentes receitas, mas de dicas quentes (e gostosas).
  • Chocolate & Zucchini — (em inglês) outra foodblogger parisiense, a Clotilde Dusoulier. Seu blog também é bastante popular, mas ao contrário de David, ela é nativa. Eu confesso que não leio, é uma descolada da Carla. Ela comprou o livro da Clotilde, o Clotilde's Edible Adventures in Paris (Compre na Amazon). Diversas das nossas dicas vieram desse livro.
  • Conexão Paris — Possivelmente o maior city blog em português, a Lina Hauteville faz um trabalho de muita credibilidade e, se você está indo à Paris e não conhece o Conexão Paris, bem-vindo à Internet :) De lá saíram diversas dicas, incluindo a do apê que alugamos.

Além disso contamos com a generosidade e hospitalidade de alguns amigos que, por eu não ter pedido permissão pra citá-los, não vou nomear. Mas eles sabem quem são e têm a nossa gratidão.

Paris guias

Alugar um apartamento por uma semana em Paris

Não é tão caro quanto parece, se você comparar com um hotel tão bem localizado quanto o apê. Claro, se você comparar com um hostel no subúrbio, é bastante dinheiro.

Mas o dilema da hospedagem— "bom preço, boa localização, conforto: você pode escolher apenas dois destes" — em Paris é crônico. Ou seja, quando é caro, é caro estilo "sinto muito senhor Clooney, seu crédito não é suficiente", quando é desconfortável é um pulgueiro (literalmente, espere pulgas e, se ficar nelas, você tá no lucro) e quando é longe, é, tipo, fora de Paris.

Um apê pode ser uma saída pro dilema, e no nosso caso, foi. Por abrirmos mão do staff e das facilidades do hotel, pagamos não muito mais caro pra ficar numa localização legal. E, como fingir que morávamos em Paris era parte da graça da viagem, não houve desvantagens!

Apartamento (ou studio, vai) no Marais

Pegamos a indicação no Conexão Paris. Uma leitora indicava um no Marais que achamos simpático, e sempre ouvimos falar bem do bairro: uma das amigas que morou em Paris e nos deu dicas recomendou passear pelo Marais: "o antigo gueto judaico e virou um point gay. Tem lojas caras de roupas e perfumes com vitrines belíssimas".

Enfim, o apartamento parecia super bem localizado.

E era mesmo! As recomendações eram todas verdade: pequeno, equipado, super bem localizado (Rue Saint Paul, esquina com Rue Saint-Antoine) e proprietários simpáticos. Bem assim. O único problema que achei no apê foi a internet via wi-fi. Não rolou e tivemos de navegar conectados com um cabo. Uma coisa assim, bem 2002.

Reservamos pelo site Homelydays. O anúncio é esse aqui. Nós pagamos €600,00 por 7 dias, com adiantamento de €120,00, depois o restante (€480,00 se você é ruim de conta) na hora. E teve mais um caução de €500,00, pago na hora também, que foi devolvido certinho ao fim da estadia.

Pertinho dele tem o metrô, tem um dos melhores falafels de Paris, alguns supermercados (incluindo um Monoprix — vá ao subsolo), uma padaria na esquina pra comprar baguete de manhã...

Resisiti à tentação de dizer uh-la-la ao fechar o negócio. Afinal, a idéia era nos sentirmos parisienses...

Apartamento em Paris — Marais

Querida, cheguei...

Da Holanda pra Paris de trem

Tem diversas maneiras de ir da Holanda pra Paris, mas o nosso meio de viagem preferido é o trem. Não é necessariamente o mais barato, mas tem grandes vantagens:

  • É confortável e rápido (ao contrário do ônibus)
  • É prático — sem check in, detector de metal, despachar bagagem, meganhas te tratando como criminoso (saudades do tempo do "inocente até prova em contrário")
  • Dá pra ir vendo a paisagem (confessa: foto de janelinha de avião é tudo igual)
Vôo para Viena

Quase todas

A companhia que faz o trecho é a Thalys, seus velozes trens cobrem a distância entre Amsterdam e Paris em 3 horas e 18 minutos. Mas, como morávamos em Haia, nós embarcamos pertinho em Rotterdam, uma das paradas do trem.

Se você quiser pesquisar passagens entre Amsterdam e Paris, o melhor é usar o site da NSHisped. Esteja avisado que eles têm uma grande birra com cartões de crédito não europeus, e pode ser que eles recusem o seu. Tem dicas no artigo sobre como ir de Amsterdam à Bruxelas que valem, porque o trem da Thalys que para em Bruxelas é o mesmo que continua até Paris.

Em geral funciona bem, exceto quando fomos: o Thalys atrasou meia hora. Ainda bem que havíamos marcado o encontro com a proprietária do apartamento com bastante folga...

Recebendo as chaves do apê

Após driblar o aglomerado padrão de pessoas tentando te separar dos teus euros das mais criativas maneiras lá na Gare du Nord, chegamos no apartamento sem problemas.

Recebemos a chave de maneira tranqüila, apesar de não falarmos uma língua em comum com a proprietária. Eu sei meia dúzia de frases em francês, o que é meia dúzia de frases a mais do que a pessoa que nos entregou as chaves e pegou nosso depósito sabia de inglês. Ou português. Ou qualquer outra língua que não fosse o francês.

Com simpatia e a língua internacional dos euros, deu tudo certo.

E agora? Agora comer!

O Crepe

O primeiro lugar que visitamos foi uma dica do David Lebovitz: uma creperia, o Breizh Café, ali pertinho no Marais mesmo. Um lugar nada pretensioso, aconchegante e gostoso de comer.

Os ingredientes são frescos, o atendimento é sensacional (tá vendo? Existe isso em Paris), comemos dois crepes cada: um salgado e um de sobremesa. Na verdade, alguns desses eram Galletes: crepes feitos de trigo sarraceno (o Breizh Café usa trigo sarraceno orgânico).

O único aviso é: se quiser um café, peça por um espresso — se pedir por café vai vir um um tanto aguado.

Paris crepe Paris crepe

Breizh Café

http://www.breizhcafe.com/

109, rue Vieille du Temple
Horários: 12h00 até as 23h00, fecha segunda e terça.

O Falafel

Ainda no Marais, tinham nos falado da rue des Rosiers pra comer um sanduba de falafel.

Eu já contei como conhecemos o falafel no artigo sobre como comer barato em Amsterdam. A Carla entrou num fast food de Falafel (o Maoz), e perguntou, assim, candidamente, com os olhinhos grandes e inocentes:

— O que é um falafel?

Meu amigo, o atendente explodiu em indignação: U DO NOU UAT IS A FALAFEL?! FALAFEL IS FALAFEL, U WANT FALAFEL? FALAFEL IS A FALAFEL!

Que traduzido quer dizer: "falafel é um bolinho frito feito de massa de grão de bico ou grão de favas, muito popular no Oriente Médio, em geral servido num pão chamado lafa" (ou talvez eu tenha lido isso na Wikipedia mais tarde, não estou certo).

De qualquer forma, fomos até a rue des Rosiers e achamos sem dificuldades as lanchonetes de falafel. Era só ver a enorme muvuca num aparente caos.

Os sandubas são servidos no balcão e é pra você comer enquanto caminha pelo bonito bairro — é street food, um estilo de comida que eu adoro.

Escolhemos a fila do L'As du Falafel, recomendado também pelo Lebovitz, e tentamos entender o sistema.

A certa altura vem um cara na fila pra pegar seu pedido. Você faz, dá a grana e recebe não um sanduba, mas um papelzinho (uma comanda).

Quando chegar sua vez no caixa ela estará acabada antes de você perceber. Eles são rápidos. Aproveite seu sanduba de falafel — é muito bom e uma refeição completa por €5,00!

Paris 2010

Voltamos comendo falafel pro apê, a tempo de assistir o vexamão que a Holanda deu contra a Espanha na final da Copa. Mas nem a patada do De Jong na vítima espanhola estragou nosso humor, tão contente que estávamos com o pandulho cheio de falafel!

L’As du Fallafel
34, rue des Rosiers
Horários: Fecha de sexta às 18h00 e só reabre no domingo.

A baguete e a manteiga

Na esquina do apartamento tem uma unidade da Paul, uma rede padarias, e era lá que eu comprava a baguete de manhã. Eu tentei um dia comprar no supermercado, mas foi um erro: murcha, sem graça. A da Paul estava sempre fresquinha (e os outros pães de lá são bons também).

Tudo o que precisávamos pra acompanhar a baguete de manhã era uma manteiga supimpa, e de novo nosso amigo Lebovitz deu uma mão e indicou a manteiga suprema.

Ele recomenda duas: a beurre cru baratté à l’ancienne e a Le Beurre Bordier. A beurre cru baratté à l’ancienne era vendida praticamente ao lado do nosso apartamento, então foi até covardia.

E é boa, sim, certamente que vale comprar. Mas...

...Mas a manteiga do Mounsieur Bordier, meu amigo... que creme! Eu me apaixonei perdidamente por essa manteiga, a Carla ficou até com uma ponta de ciúmes. Peça a versão salgada e...

Suspiro. Rapaz...

Beurre cru baratté à l’ancienne
À venda no Pascal Beillevaire
77, rue St. Antoine

Le Beurre Bordier
É vendida em alguns lugares, mas nós compramos no Da Rosa, uma delicatessen (isso é francês pra "antro de perdição pro seu paladar", sério, pode procurar no dicionário). Fica no Quartier Latin, que também vale uma visita.

Da Rosa

http://www.restaurant-da-rosa.com/

62, rue de Seine  75006

Os sorvetes

Nós tínhamos altas recomendações do sorvete da Bertillon, que é vendido em diversos lugares, mas eles tem uma loja também. Nós fomos na  loja e...

Fechada!

O remédio foi se consolar com outro sorvete. Aleatoreamente escolhemos a Amorino (critério: está aberta agora).

E é boa sim, segurou a onda. Mas voltaríamos ainda pra Bertillon — e quando fizemos valeu a pena! O sorvete é excelente, e achamos melhor do que o da Amorino, facilmente.

Ainda fomos em mais uma sorveteria em Paris, a Pozzetto. O sorvete é bem servido e gostoso, mas o mais legal foi o que aconteceu lá. Conto na próxima seção.

Amorino

http://www.amorino.com/fr/

47 rue Saint Louis en l'île
Horários: todos os dias das 12h00 até as 0h00

Maison Bertillon

http://www.berthillon.fr/

29-31 rue saint Louis en l'ile
Horários: De quarta a domingo, das 10h00 as 20h00. Fecha de segunda e terça

Pozzetto

http://www.pozzetto.biz/

39, rue de Roi de Sicile

Como não levar patada dos atendentes em Paris

A gente sempre ouve que parisiense é mal-humorado, e na primeira visita que fizemos (aquela do esquema turistão) eu descobri porque. Levei patada a torto e a direito, mesmo começando a falar em francês.

Mas aos poucos, com a experiência (viajamos pra França mais uma vez entre as duas idas a Paris), fui observando certas coisas e passei a mudar o meu comportamento.

Eu comecei a procurar o dono/atendente do estabelecimento assim que entrava, olhar no olho (não olhar no olho é patada no troco, pode contar) e cumprimentar: bon jour/bon soir mounsieur/madame.

Depois é que eu começava a gastar meu parco (ou, confesso, praticamente inexistente) francês.

Só isso me trouxe muita simpatia e boa vontade.

Sei disso porque me disseram. Na Pozzetto, eu cheguei com essa rotina, e o cara foi mega simpático. Ele foi falando francês e eu fui mantendo a fraude lingüística até que ele fez uma pergunta que realmente não entendi.

Ele repetiu em inglês e, ao final, quando me entregava o troco do sorvete, me elogiou e disse que achava muito legal que eu, apesar de não falar realmente francês, havia me esforçado e mostrado boa vontade e educação.

Cê vê? Coisa simples, mas faz diferença. Entrou, primeira coisa, olhe no olho e cumprimente. Em francês. Mantenha o francês até ele falhar. Funcionou, ao menos, comigo.

O macaron

Macaron (pronuncia-se macarron) é um doce, especialidade e orgulho francês. Eu poderia explicar tudinho, mas a Carla já fez isso em um artigo aqui no Ducs: Macarons de Paris. Vá lá ler, que eu espero e, na volta, te conto do café bom demais que tomamos em Paris.

*tamborilando com os dedos* Dundundurum, pãmpz, pãmpz, tundurum... Opa, já leu? Maravilha, continuemos.

O café

Então, eu tive graves problemas de adaptação ao café holandês, como contei no já clássico artigo sobre os holandeses e o café. Quando viajo pros países latinos, me encho de esperança de tomar um cafézinho decente.

Nesse quesito, a Itália reina suprema e inconteste, com espressos de virar os olhos, daqueles que deixam um gosto bom por horas na boca e alegram seu dia. Nunca tinha achado um café assim fora da Itália, sabe, daqueles.

Pois achei, e em Paris.

Vejam, a Carla estava no pique de soltar seu lado foodblogger e explorar a região de Les Halles, atrás de lojas de cozinha, queijos, chocolates, doces e outras gostosuras, devidamente guiada pelo David Lebovitz e seu excelente artigo sobre a área.

E foi uma dica dele que nos levou ao Caldo Freddo pra experimentar o espresso de lá.

Bom, claro que o dono tinha de ser italiano — olha o nome! E, se não fosse o nome basta tomar o café!

A Carla bem que desconfiou de eu ficar toda hora sugerindo pra dar uma passadinha nos Les Halles, sabe, pra explorar direitinho as lojas de culinária, eu nem me importava de ficar, sabe, esperando em algum lugar, tipo, olha ali, no Caldo Freddo, pronto, tá resolvido, pode ir tranqüila amor...

Paris café

Bom, já que você insiste, eu fico e tomo mais um cafézinho...

Paris 2010

E ela voltava pra me encontrar quase às lágrimas de emoção por um bom café (e overdose de cafeína). No último dia o dono, um italiano já com alguma idade, veio até conversar comigo e, quando contei que estava condenado ao exílio cafeinístico da Holanda, se emocionou. Ficamos amigos pro resto da vida, ali mesmo!

Caldo Freddo
36, rue Montorgueil 

Paris café

Naturalmente...

Descobrindo Paris com os locais

OK, esse artigo vai te ajudar bastante, mas se você estiver querendo andar por Paris como um local, o melhor é contratar direto uma guia brasileira que mora lá desde 1992.

E pra adiantar seu lado, o Ducs tem uma parceria muito legal pra vender ingressos pras atrações de Paris!

Pronto, agora é... aproveitar!

Torre Eiffel: fogos de artifício durante o 14 de julho

Paris é uma festa

 

Daniel Duclos (Daniduc), é um brazuca que mora na Holanda com a esposa, também brasileira, desde novembro de 2007. Criou o Ducs Amsterdam, o qual escreve, fotografa e edita. Em 2011 lançou um guia de Amsterdam e virou pai de uma linda garotinha, com quem redescobre o mundo todos os dias.

Procurando hotel pra sua viagem?

Eu escrevi um artigo com muitas Dicas de hospedagem.

Se você fizer sua reserva através dos links aqui no Ducs, eles repassam uma comissão pra gente. Então é uma forma de retribuir o Ducs em Amsterdam e ainda descolar um lugar legal, ter suporte em português! :) Todo mundo ganha!

Ah... e o Booking lista hotéis no mundo todo! Não precisa ser só em Amsterdam!

Ingressos pra atrações em Amsterdam

Outro jeito bacana de retribuir o Ducs e ainda se dar bem é comprar ingressos online comigo. Assim você evita ficar tomando vento em fila quando você devia estar passeando e dá uma força preciosa.

Dá uma olhada na página de ingressos do Ducs Amsterdam!

Algo a dizer? Manda bala! :)

(Ah, você tem uma dúvida? Leia antes a FAQ. É sério! Se você ler os comentários vai notar que um GRANDE número de respostas minhas são "veja essa FAQ" e o link pra resposta que a pessoa queria. Tipo, a resposta já está lá, basta olhar! Poupa o tempo de todo mundo, mas especialmente o seu, que tem a resposta bem antes...)

Você leu a Política de Comentários aqui no Ducs?

Comentários escritos TODO EM CAIXA ALTA não serão aprovados.

Dê lá o seu recado!

Notifique-me de novos comentários via e-mail. Você também pode se inscrever sem comentar.

{ 67 comentários… leia abaixo ou deixe um }

Evelin março 30, 2014 às 12:38

Acabei de voltar de Paris, ficamos num studio maravilhoso! Realmente 1 semana não dá pra achar q mora lá, + confesso q foi uma ilusão maravilhosa! Ficamos no bairro Bastille, metro na esquina, fomos para todos os lugares assim… mtas dicas do conexão paris, e do programa da Didi Wagner – Lugar Incomum. Amamos td em Paris, até mesmo alguns atendentes mal humorados kkkk…. estamos pensando em Amsterdam agr, vou grudar os olhos no seu blog agr. Abraços! Evelin – Rio de Janeiro.

Responder

Daniel Duclos abril 1, 2014 às 21:47

Um abraço Evelin!

Responder

MaFê março 23, 2014 às 19:54

hummm, também brinquei de morar em Paris,mas em um apart-hotel.
Pertinho de um Monoprix, cuja padaria dava de 10 a 0 no Paul.

Tratar os franceses com educação realmente faz diferença: o marido não fala francês, mas lá pelas tantas resolveu aprender uma frases básicas que fizeram diferença na hora de se virar sozinho, e as conversas ficaram mais ou menos assim:
Marido: ‘bonjour(dia)/bonsoir(noite). Excuse mois, je ne parle pas français, je parle anglais.’ (… fazia o que era necessário: a compra, pedia a informação se a outra pessoa falasse inglês, etc…). Bonne jounée (dia)/bonne soirrée(noite). Au revoir.

Responder

Luiza novembro 25, 2013 às 21:57

Oi Ducs!
Estive no Marais hoje (meu dia de descanso na rota esgota-turista, rs) e realmente o bairro é um charme… Moraria fácil, até imaginei minha filha brincando depois da escola no parquinho da Rue du Parc Royal.
Parabéns pelo blog e pelas dicas (já usei todas nas primeiras semanas do mês enquanto estava na Holanda).
Amanhã é dia de Louvre! (Com ingresso comprado aqui pelo Ducs, claro!)
Á bientôt!

Responder

rogerio agosto 31, 2013 às 04:30

Oi, Ducs!

Estarei em Berlim em outubro, por favor, você saberia me dizer qual melhor meio de transporte para ir pra Amsterdan? 2 dias na cidade são suficientes? e por último, qual melhor meio de ir de Berlim a Amsterdan?

Parabéns pelo site, é mais que excelente!!!
Abraços
Rogério

Responder

Daniel Duclos agosto 31, 2013 às 17:55

Rogerio, acho que não entendi… qual a diferença entre “Estarei em Berlim, qual melhor meio de transporte para ir pra Amsterdan” e “qual melhor meio de ir de Berlim a Amsterdan’? Me soam como a mesma pergunta. Enfim, eu prefiro ir de trem; é possível ir de avião e ônibus também. Dois dias, três dias, dois anos, todo tempo em Amsterdam é bem gasto, quanto mais melhor, sempre tem o que fazer. Te garanto que se você tem dois dias, você vai se divertir por dois dias.

Responder

Maria Luiza Marinho agosto 11, 2013 às 01:47

Oi Ducs! Estou adorando as suas dicas,vou viajar em setembro para ,Amsterdã ,Londres e Paris e estou seguindo o que você recomendou.bjs

Responder

Daniel Duclos agosto 11, 2013 às 02:34

Que legal Maria Luiza, depois conta como foi :)

Responder

Rosangela julho 26, 2013 às 04:18

Oi Ducs, queremos alugar um apartamento em Paris para ficar de 10 a 17 de setembro, naquele site que você indicou tem um muito legal em Monparnasse, mas como não falamos francês estamos com medo de não conseguirmos fazer a negociação com o proprietário, é complicado alugar um apartamento? Você falou que pagou 120,00, depois 480,00, mas teve a caução, foi tudo em dinheiro? Agradeço se puder nos ajudar.
Obrigada

Responder

Daniel Duclos agosto 2, 2013 às 01:01

Rosangela, eu também não falo francês e acabou dando certo; a negociação por email foi em inglês, mas na hora foi tudo em francês mesmo, e agente se virou. Foi tudo em dinheiro. Tenha em mente que esses valores são de 2010, quando eu fui.

Responder

Alan julho 21, 2013 às 09:18

“Meu amigo, o atendente explodiu em indignação: U DO NOU UAT IS A FALAFEL?! FALAFEL IS FALAFEL, U WANT FALAFEL? FALAFEL IS A FALAFEL!”
HahhaHAhahAHhahAH!!! cara eu precisei me segurar pra nao acordar a família aqui, obrigado por compartilhar, seus relatos são tão vivos que ja me sinto em Paris XD

Responder

Daniel Duclos julho 23, 2013 às 22:14

Hehe, eu que agradeço a companhia Alan! Boa viagem!

Responder

Nara maio 31, 2013 às 01:08

Olá Daniel, chegarei em paris na proxima terça e adoreei ler seus comentários sobre a cidade.

Responder

Daniel Duclos junho 1, 2013 às 10:47

Que elgal nara, obrigado!! Boa viagem!

Responder

Marília Lucena fevereiro 3, 2013 às 02:36

Oi Daniel, dá uma ajudinha pra uma prima minha. Ela vai chegar em Paris as 16h e quer pegar o trem para Amsterdam( Schipol)as 19 22h, na gare du nord. Vc poderia me dizer aonde ficam os trens da Thalys, em qual pavimento? Tô perguntando pois ela n queria correr o risco de ficar rodadndo na gare du nord a procura da plataforma. E outra coisa, ela vai comprar os tickets pela internet no site da Thalys. Aonde fica o guichê para ela retirar o ticket??
Obrigada pela atenção e parabéns pelo site!!

Responder

Daniel Duclos fevereiro 4, 2013 às 01:54

Marília, pra ser sincero eu não lembro onde o Thalys sai na Gare du Nord, mas eu lembro que não tive dificuldade de achar, era bem sinalizado. Eu também não usei o guichê da Thalys em Paris, mas em Amsterdam. Veirfique porém se é realmenre necessário retirar o ticket, se apenas o impresso não é suficiente. Abs

Responder

Carlos Gomes da Silva fevereiro 1, 2013 às 11:18

Obrigado por essas dicas, hoje é 01/02/2013 e estou com palnos para 2014 morar em Paris por no minímo 4 anos. Vou aposenatr em 2014. Tenho planos de no final de 2013 ficar uns 2 meses em Paris para conhever esses macetes de como morar em Paris.
carlos
Obrigado!!!

Responder

Daniel Duclos fevereiro 1, 2013 às 11:55

Valeu Carlos. Muito boa sorte na sua estada, tenho certeza de que vai gostar! Abraço

Responder

Sofia outubro 17, 2012 às 06:47

Oi Daniel, desculpe te amolar novamente mas to com uma dúvida, ao tentar comprar a passagem de trem de Paris para Arnhem vi que o trem chega as 20:44 em Amsterdam Centraal e sai de lá para Arnhem as 20:53, mas parece que muda de trem e aí não sei se tenho que mudar de plataforma, como seria isso e se o tempo de 9 minutos daria ou não? Voce saberia me dizer?

Um abraço e obrigada,

Sofia.

Responder

Daniel Duclos outubro 17, 2012 às 13:55

Oi Sofia, provavelmente vcê terá de mudar de plataforma sim, o thalys em geral chega na plataforma 13 e o trem pra hArnhem em geral sai da 7. Mas 9 minutos é tranquilo. Confirme se as plataformas no dia não mudaram, tem as infos nos paineis, e há também fucnionários da NS, pode pedir informação pra eles.

Responder

Cláudia outubro 11, 2012 às 06:20

Oi Daniel!!
Muito legal o seu blog! Adorei! Viajo p Europa no final do ano… Friiiiio rs Chego em Paris dia 28/12! Vou à várias cidades e tô mega ansiosa, pois será minha primeira vez! Em paris ficarei em Bagnolet, li em algum lugar q não é Paris… Achei estranho, mas tô mtoooo tensa pra gastar meu mini francês! Esse lugar é bom ou não? Vou num estilo quase mochilão kkkkkkk Pouco dinheiro, mas muita alegria! rs Tb irei à Amsterdã! Parabéns pelo blog! Abraço!
Cláudia \o/

Responder

Daniel Duclos outubro 11, 2012 às 17:35

Oi Claudia, eu não conheço Bagnolet.

Responder

Francioli outubro 8, 2012 às 03:30

Olá Daniel,
Dicas maravilhosas, como sempre …hehehehe!!!
Estivemos em Paris por 15 dias em agosto e no Studio do Marais e correu tudo muitoooooo bem.
O Studio é ótimo, os proprietários muito tri e é super bem localizado.
Ah, valeu também pela dica das manteigas que, com os pães da Paul formam uma dupla perfeita.
Abraços
Francioli e Lisandro

Responder

Daniel Duclos outubro 8, 2012 às 17:29

Foi um prazer, legal saber que deu tudo certo!! Essas manteigas com o pão da Paul realmente… nhum, até desconcentrei um pouco hehe. Maravilha, fiquei contente em saber que a viagem de vocês foi legal! Grande abraço

Responder

maio 5, 2012 às 18:15

Conheci seu blog através de uma pesquisa na net, e adorei, já me esclareceu bastante coisa, mas sempre fica aquela dúvida…estamos planejando nossa primeira viagem internacional, eu, meu marido e um casal de amigos nosso, para agosto de 2012. Estamos super anciosos para conhecer Paris, Roma, Bruxelas e Espanha, tudo isso em 25 dias, mas sem nenhum pacote terrestre, tudo por nossa conta e risco. Como disse seu blog já está nos auxiliando muito, mas gostaria de saber quantos euros cada um precisa levar para passar para entrar na Europa, entraremos por Roma e retornaremos da Espanha. Gostaria de saber ainda qual a melhor forma e mais barata de se locomover por estes países…Desde já agradeço.

Responder

MARIELA abril 23, 2012 às 11:53

lindo teu blog , adorei tuas dicas que vao ser usadas agora em maio , obrigada por compartir

Responder

t.eduardo março 25, 2012 às 03:20

Ola Ducs,

quanto ao aluguel do apto em Paris, vc acha que existe algum risco ?

grato

t.eduardo

Responder

Rosana março 18, 2012 às 22:09

Daniel muito legal suas dicas!!! Vou a Paris em junho, ficarei 1 semana, mas queria dar uma passada rápida em Amsterdã,tipo sair de Paris bem cedo e passar o dia em Amsterdã, não pretendo ir a museus mas sim conhecer um pouco da cidade, é válido???Descerei do trem Paris/Amsterdã no centro da cidade??Ou é longe??Vc tem alguma dica???Desde já te agradeço.

Responder

Daniel Duclos março 18, 2012 às 22:10

Olha, depende de cada um. Eu acho caro e longe (são 3h18 de trilho, num dia são umas 7 horas de viagem) pra um dia só. Em Amsterdam vocÊ desce no Centro, em Paris é um pouco masi afastado na Gare du Nord. Mas tem quem faça. Abs

Responder

Di Cartapatti março 18, 2012 às 01:10

Eu e meu esposo amamos Paris…há 08 anos seguidos vamos para Paris, chegamos a ficar 30 dias.Alugamos studio e já sentimos a vida parisiense.Dica além de olhar nos olhos dos franceses e ser educado, muito educado.Fale baixo e principalmente não deixe comida sobrando no prato.Temos visto muitos brasileiros com este comportamento e realmente além de falta de respeito acredito que seja falta de bom senso.Coma pouco e repita mas não desperdice comida.Um dia falta.bjs

Responder

André fevereiro 7, 2012 às 03:15

Bonjour, Monsieur! o.o (já to treinando). Parabéns pelo artigo e por todos os outros do seu blog. Linguagem amigável, informativa e de forma bastante divertida. Farei uma viagem à Amsterdã e Paris em abril. Certamente suas dicas serão muito úteis. Um grande abraço.

Responder

Enaldo Soares dezembro 28, 2011 às 03:43

Caro Daniel, boa noite.

Conheci o seu blog pela net pois tenho interesse em passear em Amsterdam (na verdade, o único país europeu que não me interessa é a Albânia, rs…).

Fiz minha primeira e única viagem internacional em julho último, dez dias em Paris, e as informações que obtive para realizá-la sem aborrecimentos foram por meio dos blogues. Publico um blog (www.enaldoemparis.blogspot.com) que narra a minha experiência e é voltado para pessoas de classe média que querem ir a Paris, com prazer e conforto, mas sem gastar 200 euros por dia (na verdade eu gastava menos de cem, com tudo incluso). Optei por ficar em um aconchegante apartamento no Marais (sem precisar depositar caução) e adorei a experiência, muito mais interessante (e barato) do que em hotéis.

Por isto, vai a pergunta: como faço para alugar apartamentos em Amsterdam, quais são as suas dicas? Não encontrei nenhum post extensivo a respeito.

Um abraço,

Enaldo.

Responder

Markos Felipe novembro 30, 2011 às 22:35

Cara eu sou fã desse site.
Acompanho desde que eu comecei a projetar meu mochilão e confesso que vem me ajudando muito.
Gostaria de saber quanto você pagou pela reserva no THALLYS.Pelo que eu ouvi falar tem uma taxa de reserva obrigatória alem da passagem.

Obrigado..
Abraç

Responder

Daniel Duclos dezembro 23, 2011 às 02:52

Markos, eu peguei o Thalys duas vezes e não me lembro de ter pag nenhuma reserva a mais: o que vi no site foi o que paguei, acrescentado de alguns euros a mais porque comprei no guichê da Amsterdam Centraal e não on-line. Se alguém mais souber de algo, digam aí nos comentários!

Abs

Responder

Marly novembro 28, 2011 às 12:57

Estamos indo para Paris em Abril 2012 (para mm é a segunda vez). Sou filha de Frances e para mim foi emocionante ve-la primeira vez. Hoje anotei todas as suas dicas, maravilhosas e. creia, vou aprovei-á-las ao máximo.

Responder

Juliana novembro 12, 2011 às 03:32

Excelentes posts!!!!!

Mas aí me pergunto: cadê a continuação?

As próximas partes cairiam super bem!

Fui a Paris em agosto passado e voltarei em fevereiro! Quero dicas!!!

=)

ps: sonho diariamente com crepes de nutella… gordice que só me permito nas férias mesmo… ;)

Responder

Ana Gadelha novembro 2, 2011 às 18:29

Olá… só quero parabenizá-los! Vc e Carla.. vcs escrevem e nos trasportam para o lugar .. para o momento…
Eu estou começando a planejar minha primeira viagem ao exterior.. nesses pacotes.. rsrs.. mas é um início e cada relato me empolga e dá mais vontade de conhecer.. Vlw!

Responder

Daniel Duclos novembro 29, 2011 às 16:43

Obrigado Ana

Responder

c* outubro 1, 2011 às 22:05

salut daniel,
maneiro seu blog, maneiras sua pessoa e seu jeito de viajar !
so queria acrescentar que os franceses por terem inventado a “politesse” ( normas sociais de convivencia ) sejam tao sensiveis ao “bonjour, bonsoir, merci, etc”…vivo em paris ha muitos anos e posso lhe assegurar que a politesse abre todas as portas ! e sem ela vc permanece invisivel…

obrigada pelo otimo blog, ja favoritei

Responder

Alessandro setembro 14, 2011 às 14:57

Olá Daniel,
Parabéns pelas excelentes dicas e pelo excelente texto, que lê-se muito rápido de tão bom. Eu e minha esposa moramos em Portugal e vamos passar 8 dias em Paris em Outubro. O esquema do alojamento será o mesmo que o de vcs, mas infelizmente já não apanhei a sua dica do apartamento no Marais a tempo, pois já está alugado no período que iremos. Ainda procurei outros, mas ou os dias não encaixavam ou o preço era mais alto do que apart já temos reservado. Minhas dúvidas são relativamente ao deslocamento por Paris, pois como é a nossa primeira vez, vamos fazer o circuito turistão (Torre Eiffel, Louvre, Versailles, etc.) :). Vc sugere o passe Navigon ou é melhor comprar os talão com 10 bilhetes? Já li sobre o Paris Visit, mas não encaixe bem no nosso caso, pois são no máximo 5 dias, e vamos ficar 8. Vc escreveu que dessa vez vc foram mais no relax, portanto a necessidade de transporte público deve ter sido menor, com muitos passeios a pé, mas no nosso caso, o que vc aconselha. desde já agradeço pelas informações.
PS: Isso do Bom dia/Boa Tarde/Boa noite é engraçado. Até morar aqui em Portugal eu não tinha me apercebido como algumas pessoas no Brasil (geralmente as que acham que estão “podendo”) tratam de maneira subalterna os servidores (empregados de hotel, restaurante, lojas, etc.). Os portugueses também são classificados como “chatos”, mas eu diria que eles são muito parecidos com os franceses, são “na deles”. Muitos já me comentaram que acham desagradável o costume brasileiro de chegar já perguntando por mesa, roupa ou quartos sem sequer dizer um simples “Bom dia”.

Responder

Daniel Duclos setembro 14, 2011 às 15:01

Oi Alessandro

Eu usei o talão de 10, mas eu não conhecia o navigon também. Boa viagem!!

Responder

Sabrina Kubo setembro 6, 2011 às 18:47

Olá Daniel,

Fiz essa viagem de turistão-enlouquecido-em-Paris-primeira-vez em junho/2011. Tive o prazer de viajar de Thalys ( saindo de Amsterdam Centraal e indo pra Gare du Noord em Paris) e a viagem foi muito agradável.

Segui muitas dicas da Lina do Conexão Paris, comprei os dois guias que ela escreveu e foram muito úteis. Contudo Paris tem uma infinidade de coisas pra fazer e não consegui ir em todos os lugares que queria. Vou voltar em 2012.

Apesar das controvérsias do ” onde ficar” eu fiquei no 17eme arrondissement , em Clichy pertinho do bairro do Montmartre ( 18eme arrondissement, aquele bairro da Amelie Poulain, do Moulin Rouge e da Sacrè Coeur) e falando assim parece que fiquei hospedada no fim do mundo, mas não.

De metrô do nosso bairro para Torre Eiffel eu cronometrei : 8 minutos!

Nosso bairro Clichy tinha mercearias, padarias, mercadinhos, confeitarias, cafés, restaurantes pequenos e médios com preços honestos e comidinhas muito boas. Neste aspecto não me arrependi nadinha! O hotel que nos fora apresentado como 3 estrelas deixou muito a desejar : Hotel Legendre , na Rue Legendre, 31. É uma estrelinha e olhe lá. A única coisa boa do quartinho apertadinho era a banheira do banheiro, que nos propiciava banhos de espuma depois de andar exaustivamente por 8 ou 9 horas pela cidade.

Na próxima viagem pretendo alugar um flat, ou estúdio ou apartamento (como queiram chamar ) no site : centreparis.com . As indicações de todos a respeito desse site são ótimas.

É isso,
abraços a todos
Sabrina Kubo

Responder

Jo agosto 21, 2011 às 23:58

Nossa seu blog é maravilhoso!
Descobri ele ontem enquanto procurava informações sobre amsterdan e não consegui mais parar de ler, parabéns pelo trabalho!Me deu até vontade de escrever um!
Em julho do ano que vem irei para Amsterdam e mais alguns outros lugares da Europa com meu namorado, ainda falta muito mas já estamos escolhendo alguns destinos, por enquanto Paris, Berlim, Munique, Viena e Milão, e já vi que seu blog vai ser de grande ajuda.

Responder

Daniel Duclos agosto 23, 2011 às 01:22

Oi Jo

Que legal, eu dou maior apoio pra você escrever seu blog sim!

Pois, e eu aidna tenho muito materia pra publicar, nem de longe cobri minhas viagens todas. De qualquer forma espero que sua viagem seja excelente!

Responder

Célia (@regina26) agosto 13, 2011 às 03:12

Daniel,
Isso que você falou sobre como tratar o garçom francês é uma dica e tanto. Falo um pouco de francês, até que entendo razoavalmente, mas o “olho no olho”, o Bonjour/Bonsoir e o falar tudo em francês até que eles não te entendam foi fundamental para que fôssemos bem tratados em todos os lugares em que fomos – e era nossa primeira vez ali. O ogrinho não fala uma palavra em francês, e ficou tudo por minha conta, rsrsrs! Ele adorou ser tratado bem, até conseguir pedir informação na rua]estação de trem (atendida ainda pelo chefe da estação) e receber atenção. Isso não tem preço.
Não conhecia os outros 2 blogs, vou olhar também. O da Lina é demais, comprei os guias, li o blog quase todo, vale muito à pena mesmo. E suas dicas estão ótimas!
Abraço,
Célia

Responder

Marcelo agosto 12, 2011 às 21:45

Daniel e Carla,
vocês estão mandando muito bem no blog.
Vou com minha esposa no final de agosto para Londres, Amsterdam, Bruxelas, Bruges e Paris e achei dicas muito boas desses lugares no seu blog.
Rodo, rodo, rodo e acabo parando aqui. Muito bom.
Ainda mais procurando o que estou procurando, lugares interessantes e diferentes que se somam à rota básica.
Parabéns.
Abraços,
Marcelo

Responder

Daniel Duclos agosto 13, 2011 às 11:37

Fala Marcelo! Valeu cara, fico feliz em saber que o blog tá ajudando. E ainda tem bastante coisa por vir, nem contei de Florença, Barcelona, Milão, Viena, Londres… (tá, de Londres eu contei um pouquinho já). Vamos juntos nessas viagens!

Grande abraço

Responder

Francy e Carlos Guttierrez agosto 12, 2011 às 16:07

Acho que já andei por aqui… mas hoje encontrei o teu blog no Conexão Paris que já listei no meu blog… muito boas as dicas sobre Paris. Apesar de já ter ido lá umas quantas vezes, dicas boas são sempre boas… e com certeza voltaremos aqui….. e lá…
Vou lá conhecer o da Carlos, pois também tenho um blog de receitas: http://www.saboresaparte.blogspot.com
abs,

Responder

Daniel Duclos agosto 13, 2011 às 11:34

Oi Francy, oi Carlos, bem-vindos :) Legal ter vocês por aqui!

(Não querendo dar uma de Google, mas você quis dizer “blog da Carla”? :) )

Abração

Responder

Fabiana Bee agosto 12, 2011 às 04:24

Olá Ducs!
Tive o prazer de estar do lado de Paris, Saint Germain-en-laye, ali no chamado banlieue, que de subúrbio não tinha nada, por 9 meses e uma caminhada beirando uma floresta (isso mesmo..rs) por 15 minutos e chegava na estação de RER e em 15 minutos estava na Champs Elysées! Magnifique!
Estarei esperando ansiosa pela continuação da aventura de vocês para poder viver e reviver um pouco mais da França! Abração e obrigada!
PS adoro muito os seus posts sobre a Holanda, até me ajudou mto qdo fui para Amsterdam ano passado, mas Paris é meu ponto fraco! =)

Responder

Daniel Duclos agosto 13, 2011 às 10:34

Oi Fabiana!

Poxa, que legal esse lugar! Tem fotos? :)

Hey, brigado pela companhia e fico feliz de saber que meus artigos ajudaram, faço com o maior carinho e é muito bom saber que são úteis.

Um abração

Responder

Márcio Oliveira agosto 10, 2011 às 05:12

Olá Ducs, tudo bom?? Nossa, qqeupózdizê depois de ler um post desses sobre A CIDADE QUE EU MAIS AMO?? (depois do Rio de Janeiro, claro!) hehehehehehe!! Esse ano fui à França pela 2ª vez e além de ficar na casa de um amigo que mora na região da Bastille, também fiquei em uma cidade muito perto de Paris chamada Vincennes, que é linda linda linda, onde moram 2 amigos meus também! Lá tem um castelo incrível, tem parques, ótimo comércio e tem o Parc Floral de Paris, que é um show a parte! E a cidade, de metrô, fica só a 15 minutos de Paris, valeu muito a pena conhecê-la. Então, quem quiser ir pra lá, fica a dica! Bom, você falou sobre os crepes…OK! Mas os melhores crepes eu comi na Bretanha (também né? Cidra e crepe são as especialidades dos bretons), mas não posso deixar de comentar que as Brasseries são incríveis! Brasserie pra mim significa: comida ótima+preço bom+ atendimento simpático e rápido! No Marais inclusive, tem algumas excelentes, sem falar nos restaurantes judaicos, que tem comida farta, saborosa, bom preço e principalmente, 100% Kosher! (Jeová aprova e recomenda! ;-) ) Quer coisa melhor do que isso? Ok, picnic na margem do Sena no final da tarde, com direito a pôr-do-sol também! Compramos taças e talheres de plásticos no Franprix (uma rede de minimercados da França), foi gras, pães, queijos, geléia…só não esqueça de levar o saca-rolha pro vinho!! Um monte de gente me pediu emprestado! Hehehehehehe!! Geralmente o pessoal sai do trabalho e vai direto pra lá, todos gostam de ficar alí na altura da Notre-Dame!…Qual cidade no mundo poderia oferecer tanta coisa boa assim, né mesmo? Abração!

Responder

Daniel Duclos agosto 13, 2011 às 10:29

Opa Mário! Nossa, que legal! Valeu as dicas! Adoro quando o pessoal compartilha as dicas nos comentários!

Paris é demais mesmo.

Abração

Responder

Lu Francesa agosto 9, 2011 às 22:46

Muito bacana, parabéns pelo artigo! :)

Responder

Daniel Duclos agosto 10, 2011 às 14:52

Oi Lu, brigado! legal que você gostou! Um bjo

Responder

Mari Campos agosto 9, 2011 às 13:34

ÓooootEma dica! Eu AMO essa área de Paris e foi aí também que eu aluguei um studiozito por 30 dias no verão e 2009 pra fingir que era moradora ;-)
Super recomendo também e quero muito, muito, muito repetir a experiência em breve.

Responder

Daniel Duclos agosto 9, 2011 às 20:42

Oi Mari! O Marais é muito legal, eu adorei! Poxa, trinta dias é show, dá pra ter bem um gostinho de morar mesmo! Deve ter sido uma experiência incrível!!

Beijão

Responder

Aline agosto 8, 2011 às 20:27

Paris é incrivel!!!
Bjs

Responder

Daniel Duclos agosto 9, 2011 às 20:39

De fato, Aline :)

Responder

Diego agosto 8, 2011 às 20:12

Magnifique! Paris é realmente surpreendente, mesmo fazendo apenas alguns dos passeios “obrigatórios” – e olha que ainda não fui no Louvre, só pra dar um exemplo!

E a saudação antes de falar com a pessoa aprendi em Bruxelas, onde todos me cumprimentavam com bon jour/soir no começo, depois eu comecei e segui assim em Paris. Funciona muito bem, mesmo! :D

Dicas muito boas que seguirei com certeza nas próximas idas (sim, plural mesmo!) à Cidade Luz :)

Abraço!

Responder

Daniel Duclos agosto 9, 2011 às 20:38

Fala Diego! Sim, Paris é daquelas cidades que sempre dá pra voltar… eu também irei mais vezes! Quem sabe a gente não se encontra lá numa dessas? ;)

Abração

Responder

Vanessa Britto Vianna março 25, 2013 às 17:45

Olá,tudo bem? estive em Paris em janeiro e dei um pulinho em Amsterdam.Nossa, amei tudo o que vi!!!! sou baiana e não sei se tive sorte,mas dizem que somos muito simpáticos e sorridentes, então, creia:só falo bem português,kkkkkkk,arranho um péssimo espanhol e meu inglês é sofrido e não tive nenhum problema de comunicação!!!! todos foram muito amáveis nos dois locais e fui atendida e compreendida,mesmo que fosse através de mímica quando nada dava certo!!!
Vou voltar a Amsterdam(me apaixonei!!!) e com certeza a Paris tb!!!!
Um abraço!!!

Responder

Daniel Duclos abril 3, 2013 às 02:04

Issai, Vanessa, com boa vontade todo mundo se entende!! Abraço

Responder

Cybermod agosto 8, 2011 às 20:00

Fala, meu amigo!!!!!! Leio mais uma vez seus textos impolgantes e fico feliz. Fiz essa viagem, porém saindo de Paris e indo para Amsterdam. E, depois, a volta (ida e volta de thalys). Paris realmente é maravilhosa!!!! Estudei e me guiei pelo blog da Lina e me dei bem. Cheguei no aeroporto, andei de ônibus, metrô e à pé, como se já tivesse ido várias vezes. É muito fácil de usar o transporte público. E o lance dos olhos nos olhos é totalmente verdadeiro. A única coisa que falo em francês é que não sei falar francês (Je ne parle pas français) e Você fala inglês? (Vous parle anglais?) Hehehehehe. Então, eu olhava confiante para as pessoas, sorria com um bonjour e mandava as 2 frases. Era tiro e queda. Na gare du nord me disseram até um “of course” como resposta ao meu “vous parle”… é mole?? Enfim, Paris e Amsterdam são as 2 cidades das quais voltarei o mais rápido possível. Abração!!!!!!!!

Responder

Daniel Duclos agosto 9, 2011 às 20:37

Fala Cybermod! Paris é show mesmo, e o blog da Lina é referência obrigatória!

Em Amsterdam eles têm uma atitude diferente, eles encaram muito pelo lado de “ninguem fala holandês, nós é que temos de falar inglês”, e na França é diferente. Mas esse truque de olhar e cumprimentar antes de começar a falar é essencial!

Estamos esperando sua volta :D

Grande abraço!

Responder

Cheila agosto 8, 2011 às 19:12

Oi adorei seu passeio me senti lá.Estou indo para Amsterdam dia 15/08/11.E depois Paris,vou de trem igual a vocês.Estou um pouco ansiosa pois nunca viagei de trem na Europa. E Amsterdam é a primeira vez,Paris será a terceira vez,mas eu sempre fui tipo, alguem do lado para levar e trazer , vou ter que me virar.Achei melhor ter esta experiencia.O seu guia, um amigo me dar de presente e estou anciosa pois ele disse que vai passar aqui em casa para trazer!Estou esperando!?Vai encardenar eu acho.Mas adorei as dicas.Parabens estou sempre fuçando no seu blog e da sua Carla.Obrigada e abraços paulista

Responder

Daniel Duclos agosto 9, 2011 às 20:17

Oi Cheila

fazer as coisas sozinhos é a malhor maneira de aprender mesmo :) Tenho certeza de que vai dar tudo certo e você vai se virar super bem.

Um abraço e boa viagem!

Responder

{ 8 trackbacks }

Previous post:

Next post: