O melhor guia online sobre Amsterdam, em português” – Estadão

5 museus que você precisa visitar na Holanda

por Daniel Duclos em 01/06/2010

Eu adoro museus e já até trabalhei em um, muitos anos atrás, em Sampa. Lá tive minhas primeiras lições de como lidar com o público e colecionei algumas histórias que fazem sucesso com amigos até hoje. Cheguei a procurar emprego em museus aqui na Holanda, mas infelizmente todos exigiam um domínio da língua holandesa que ainda não tenho. Me consolo explorando a riqueza de museus da Holanda toda (incluí uma visita a um museu até quando fui pra Groningen passar o Natal).

Pra evitar ir à falência completa por overdose de entradas de museus, compramos eu e Carla uma museumkaart (aliás uma das dicas de economia na Holanda). Essa liberdade de ter acesso grátis, ou praticamente grátis (se houver exposição temporária você precisa pagar a diferença), tem o efeito colateral de incentivar ainda mais visitas a museus e nos liberar do afã de ver tudo de uma vez. Já que podemos voltar, voltamos. Com o tempo, acabei desenvolvendo uma lista dos meus museus favoritos.

1. Van Gogh Museum

Esse é até covardia. Eu já listei como uma das principais atrações de Amsterdam… quer dizer, eu e todo mundo. O Van Gogh justifica plenamente as indicações, a espera na fila, a galera disputando um espacinho na frente de uma das diversas e abundantes obra primas da sua coleção, que inclui não são só as feitas pelo homenageado, mas também de contemporâneos, influências e amigos.

Van Gogh Museum

Entrada do Van Gogh Museum

O prédio é legal e razoavelmente moderno e a iluminação é excelente, o que não é pouca coisa, como qualquer um que ja ficou se contorcendo pra tentar enxergar uma obra prima através do reflexo do vidro de proteção sabe (Uffizi, é com você mesmo). Além disso, há informações abundantes (em inglês e holandês) e você consegue seguir as várias fases da vida do Vincent. Uma que não foi fácil, a propósito.

Pobre Vincent foi um profundo "loser", praticamente sem amigos, sem grana (dependeu do irmão até pra comprar as tintas dos seus quadros, não mencionando a comida) e, o mais deprimente, sem reconhecimento em vida. Sofreu com uma doença psicológica até hoje indeterminada e, apesar de tudo isso, era um tremendo gênio, não só na pintura mas, descobri eu visitando diversas vezes o museu, da escrita também! Ele escrevia muito bem e suas palavras quase nos levaram às lágrimas (era um cisco no meu olho, tá?) enquanto observávamos sua obra prima "Noite Estrelada", trazida de Nova York especialmente pra uma exposição temporária.

Inclusive, essa é uma boa dica: as exposições temporárias são muito legais. Ao menos, sempre que fui numa, gostei (e aproveitei depois pra rever a maior coleção de pinturas e desenhos de Van Gogh do mundo que forma o acervo do museu).

Além das exposições temporárias, os programas da "Museu na Sexta à Noite" (Vrijdagavond) também são motivo pra continuar voltando, se ver obras primas de Van Gogh não for o bastante pra você. Mas a dica da sexta a noite (quando além de pegar um belo programa extra você ainda terá o acervo praticamente pra você ver com toda a calma do mundo) e uma outra dica quente pra você não precisar ficar na fila, você acha no artigo Dicas locais que os turistas em geral não conhecem. Vá lá, cê não vai se arrepender.

2. Rijksmuseum

Rijksmuseum - Museumplein

Esse é outro museu que já viu bastante minha museumkaart, e isso que a maior parte dele está em reforma desde antes de eu me mudar pra Holanda. Mas uma ala permanece funcionando, com relíquias históricas e muitas, muitas obras primas. Aliás, essa é uma pegadinha de Amsterdam: se você quer ver Rembrandt, não vá à Rembrandthuis, mas ao Rijksmuseum, que abriga diversas, inclusive a multi-mega famosa "Ronda Noturna".

A parte externa do prédio é bem linda também (quando não está coberta pelos tapumes da reforma), lembrando a Centraal Station (ambos têm o mesmo arquiteto). Há também um belo jardim externo, que dá boas fotos.

Rijksmuseum

Música nos jardins do Rijksmuseum numa sexta

Mas o acervo é a atração principal, mesmo que vejamos parte dele ao mesmo tempo, devido às restrições da reforma. Os holandeses não são um povo pra se apressar com obras, então em vez de ficar esperando a reabertura total, vá aproveitando o que dá pra ver hoje, que vale a pena. Eu aproveito sempre.

Tanto o Rijksmuseum quanto o Van Gogh Museum ficam na Musemplein, bonita em si (e o lugar tradicional de você pagar micão e tirar foto na frente da inscrição I AMSTERDAM.)

3. Amsterdam Historish Museum

Olha vou confessar uma coisa. Eu sou apaixonado por Amsterdam. Eu sei, eu sei, eu mudei pra Haia, mas cidades não são ciumentas. Amsterdam me interessa profundamente, e sua história em particular. O Museu Histórico de Amsterdam é um imã pra um nerd fuçador como eu e pra qualquer um com o mesmo interesse apaixonado pela cidade.

O prédio do museu tem sua própria história, e já abrigou o complexo de orfanatos municipais, o que, obviamente, você pode descobrir vendo o próprio museu, que segue a história da cidade desde que ela era um fundo de pântano a ser dragado por gerações de obstinados amsterdaneses até os dias de hoje.

A primeira vez em que visitei o AHM eu dei de cara com o salão de entrada e pensei "wow!" Quarenta minutos depois eu ainda estava lendo plaquinha e fotografando peças (pode fotografar dentro, ao contrário do Rijks e do Van Gogh), pensando "esse museu é bom mesmo". Só então descobri que eu ainda não havia entrado propriamente no museu. Era somente uma sala de "apresentação". Horas e horas depois eu fui expulso pelo guarda, que queria fechar.

Não seria a última vez.

Eu fui expulso tantas vezes pro fechamento desse museu que não tem nem graça. Eu devo ter virado uam espécie de piada entre os guardas.

Guarda: "Vá embora! Eu quero ir pra casa, ver minha família! Você não tem vida, não?"

Daniduc: "Aprender... é... MINHA VIDA!"

(sons de pontapé no traseiro e porta sendo fechada às pressas): CATAPIMBA! BLAM!

Daniduc: "Eu voltarei!"

Guarda, seguro atrás da porta: "Mijn God!" *suspiro*.

Daniduc: "Amanhã!"

Guarda: *imenso suspiro*

Talvez eu esteja exagerando um pouco. Mas eu voltei. Bastante. E vou, tenho fé, voltar mais ainda.

Talvez o AHM não seja um museu imperdível se você está em Amsterdam a primeira vez, com tempo contado, e não tenha um interesse particular pela história da cidade. Mas essa lista é dos meus museus favoritos, e certamente esse critério ele satisfaz.

Bike - Museu histórico Amsterdam

Bike antiga retirada do fundo do canal em exposição. A história da cidade do começo até os tempos modernos.

Amsterdams Historisch Museum
www.ahm.nl
Kalverstraat 290
1012 RM - Amsterdam

4. Mauritshuis

UPDATE: A Mauritshuis está em reforma no momento. Espera-se que reabra em 2014, mas não há data certa. Diversas obras estão expostas no Gemeente Museum (Stadhouderslaan 41). A principal obra da Mauritshuis, Menina com brinco de pérola, está em viagem e não se encontra no Gemeente Museum.

A Mauritshuis é minha nova paixão na minha nova cidade (Haia). Um museu pequeno, mas atulhado de obras primas imortais, e localizado numa linda casa que pertenceu a Maurício de Nassau. É, o conde que você aprendeu na aula de história, lembra dele? O Governador dos territórios ocupados pelos holandesa no nordeste brasileiro? Tá, refresque sua memória na Wikipedia.

O conde tinha gosto artístico, e dá pra ver isso na sua antiga casa, que já foi do estado holandês e hoje é privatizada. Apenas as obras de arte são do Estado, que as cede num regime de empréstimo de longo prazo pro museu.

Mauritshuis

Eu já queria visitar a Mauritshuis antes de saber que ela existia. A primeira obra do Rembrandt que eu ouvi falar e vi uma reprodução (e assim descobri a existência do mestre), a Lição de Anatomia do Dr. Tulp, está lá. A mega famosa Menina com brinco de pérola do mestre Vermeer também. E já que estamos falando de obras primas de Vermeer, uma das suas raras pinturas externas, a Visão de Delft emocionou Van Gogh, a mim (*cof*, nós gênios somos muito sensíveis — e modestos) e poderá emocionar a você também na mesma visita. Ah, não vou ficar citando todas as obras-primas do acervo do museu: se você curte arte, vale cada minuto lá dentro.

Uma coisa que eu sempre faço, a menos que seja proibitivamente caro, em minha primeira visita a um museu, é pegar o audio guide. Gosto bastante de ouvir os insights e informações extras que, embora superficiais pra quem estuda arte, ajudam muito iniciantes. Então, na Mauritshuis, peguei o audio guide, que é bastante bom.

Quando eu estava diante do quadro Vista de Itamaracá do Frans Post, considerada a mais antiga pintura feito por um profissional nas américas, justamente de um holandês no Brasil, o audio guide me sai com essa: "...Brazil, that was at the time a Dutch colony..."

Pera, como é? "Brasil, que na época era uma colônia holandesa"? O Brasil foi colônia holandesa? Oh só, eu sei que teve diversas colonizações no Brasil (yeah, já ouvi falar da França Antártica, por exemplo), e que muito do Brasil foi colônia espanhola por muito tempo e tá, os holandeses ocuparam o nordeste brasileiro por 24 anos. E sei também que história é treco complicado, e depende muito de como você interpreta, chama e nomeia as coisas.

Mas vamos concordar eu e você que o audio guide poderia dizer "nordeste brasileiro, que na época era colônia holandesa…" — talvez os portugueses tendessem a chamar a "colônia" de "invasão", mas vou dar um desconto, afinal o Maurício tá na casa dele. Agora dizer que o Brasil era colônia holandesa é meio que forçar um pouco a barra, né não? Eu acho.

Enfim, isso é só uma curiosidade. O museu é maravilhoso, o audio guide é bom, a casa lindamente charmosa, e tem ainda duas grandes vantagens: aceita a museumkaart e fica ao lado do Binnenhof, o antigo parlamento holandês e uma das atrações de Haia. E pra mim, uma terceira: é pertinho da minha nova casa!

Mauritshuis
www.mauritshuis.nl
Nassaulaan 19
2514 JT - Haia

5. Escher in het Paleis

Outro museu que quis ir antes de saber que ele existia. O artista gráfico holandês M. C. Escher é herói de infância meu (e de muitos outros nerds) por suas imagens que desafiam a perspectiva, fazem mundos impossíveis parecerem viáveis e dão uma noção do que é o infinito. Sua mente se contorce como uma fita de möbius ao tentar abarcar aquelas noções que Escher tão brilhantemente punha em sua obra. Os matemáticos se divertem até hoje com as gravuras de Escher, e eu com eles.

O Museu em holandês é chamado de Echer in het Paleis, "Escher no Palácio", porque ele foi inaugurado em 2002 num antigo palácio, onde morou a Rainha Consorte Emma. É uma bela casa tabém, e visitá-la pra ver as obras produzidas ao longo da carreira de Escher foi uma das grandes motivações pra eu ir a Haia pela primeira vez em 2007. Por um tempo me enganei que estava indo ver a cidade, mas assim que entrei do museu, repeti a rotina de ser expulso porque eles queriam fechar, algumas horas depois.

Uma das coisas mais legais é acompanhar a evolução do artista: suas primeiras obras tentavam reproduzir perspectivas complicadas, cada vez mais complexas, enquanto ele dominava a técnica para depois, mais pra frente na carreira, passar a quebrar as regras que aprendera tão profundamente.

O Escher não aceita museumkaart, e apela apenas pra quem gosta muito de Escher, então reconheço que pode não ser indicado pra todo mundo. Mas ainda é um dos meus museus favoritos na Holanda, apesar de só ter ido lá uma vez.

16/12/07

Pra homenagear o Escher, resolvi também brincar com perspectiva na minha visita.

E os seus museus favoritos?

Existem muitos, muitos outros museus favoritos meus, muitos excelentes. E há ainda uma imensa e interminável lista de museus aos quais ainda não fui. Eu quis aqui apenas compartilhar alguns poucos, mas nem de longe o assunto está esgotado — ao contrário, é apenas uma breve introdução. O legal é compartilhar experiências, por isso eu peço:

Conte quais são seus museus favoritos - nem precisa ser da Holanda, pode ser de qualquer lugar. Estou sempre querendo conhecer novos, em viagens também! E se você conheceu algum dos que listei aqui, conte pra gente como foi. Eu quero ouvir… bem, tá, ler, como foi sua experiência. Muita coisa aprendi lendo os comentários. Vamos conversar!

Daniel Duclos (Daniduc), é um brazuca que mora na Holanda com a esposa, também brasileira, desde novembro de 2007. Criou o Ducs Amsterdam, o qual escreve, fotografa e edita. Em 2011 lançou um guia de Amsterdam e virou pai de uma linda garotinha, com quem redescobre o mundo todos os dias.


Procurando hotel pra sua viagem?

Eu escrevi um artigo com muitas Dicas de hospedagem.

Se você fizer sua reserva através dos links aqui no Ducs, eles repassam uma comissão pra gente. Então é uma forma de apoiar o Ducs em Amsterdam e ainda descolar um lugar legal, ter suporte em português! :) Todo mundo ganha!

Ah... e o Booking lista hotéis no mundo todo! Não precisa ser só em Amsterdam!

Ingressos pra atrações em Amsterdam

Outro jeito bacana de retribuir o Ducs e ainda se dar bem é comprar ingressos online comigo. Assim você evita ficar tomando vento em fila quando você devia estar passeando e dá uma força preciosa.

Dá uma olhada na página de ingressos do Ducs Amsterdam!

Ah, e se você está querendo comprar passagens aéreas, o Ducs Amsterdam tem uma parceria com a KLM:

Pessoal, o Ducs só existe com a força de vocês! Então, divulguem, comentem, usem os serviços que o Ducs oferece e vamos que vamos! Obrigado sempre!

Algo a dizer? Manda bala! :)

(Ah, você tem uma dúvida? Leia antes a FAQ. É sério! A maioria das respostas tá lá...)

Outra coisa que é importante é habilitar receber notifcações de novos comentários por email, porque tem um monte de gente que faz uma pergunta em um post aleatório e depois esquece onde fez a pergunta, nunca vê a resposta e acha que não foi respondido, quando na verdade a pessoa é que esqueceu onde que foi... com o aviso por email isso não acontece.

Você leu a Política de Comentários aqui no Ducs?

Comentários escritos TODO EM CAIXA ALTA não serão aprovados.

Dê lá o seu recado!

Notifique-me de novos comentários via e-mail. Você também pode se inscrever sem comentar.

{ 61 comentários… leia abaixo ou deixe um }

Anna Carolina novembro 12, 2014 às 07:37

Oi Daniel, vou passar dois dias em Amsterdam em fevereiro e pretendo visitar os museus Van Gogh, Anne Frank, NEMO e Rijksmuseum (dois por dia). Ficarei hospedada com meu marido e filho num hotel próximo a Rendbrandtplain, na beira do canal Amstel. Quais desses museus listados você recomenda que seja visitado em cada dia para otimizar o roteiro e reduzir os deslocamentos? Obrigada e parabéns pelo blog, seus posts são ótimos, com dicas valiosas!

Responder

Daniel Duclos novembro 12, 2014 às 15:28

Van Gogh e Rijksmuseum ficam um ao lado do outro, natural que sejam vistos no mesmo dia.

Anne Frank e NEMO podem ficar pro outro dia.

Responder

Douglas Pavan julho 12, 2014 às 00:26

Olá Daniel,
Estamos indo a Amsterdam no início de agosto e teremos apenas dois dias na cidade. Queremos visitar o museu Van Gogh mas ao mesmo tempo queríamos aproveitar ao máximo a cidade neste pouco tempo que teremos na cidade.
Minha pergunta é: quanto tempo você acha que é necessário para visitar o museu Van Gogh?
Um grande abraço e parabéns pelo Blog!
Douglas

Responder

Daniel Duclos julho 15, 2014 às 21:40

Putz, Douglas, isso é tão pessoal… você ver bem rápido ou pode passar um dia, ou pode ficar voltando lá pelos anos, como eu faço. Reserva aí pelo menos uma hora e meia, vai, pra olhar os highlights, mas aviso que é pouco e você vai ver bem por cima. Não esquece de comprar ingresso antes porque senão você vai perder um tempo precioso ba fila. Eu vendo aqui no Ducs os ingressos (www.ducsamsterdam/ingressos) mas você também pode comprar direto no site do museu.

Responder

Douglas Pavan julho 18, 2014 às 20:34

Maravilha Daniel,
Obrigado pela dica.
Realmente se eu tivesse mais tempo em Amsterdam perderia um dia inteiro no museu. Com certeza vamos gastar mais do que uma hora e meia lá.
Vou providenciar a compra dos ingressos através do seu site.
Um grande abraço e obrigado mais uma vez.

Responder

Adélia maio 12, 2014 às 22:36

Quero agradecer todas as suas dicas e ,claro, pedir um favorzão.
Irei a Amsterdã em Outubro especialmente para visitar o museu Van Gogh e o museu Kroller Mueller.
Tem algum comentário? Tem traslado pra esse último.
Qual dois dois vc gosta mais? Sou grande fã do Vincent e onde eu vou
procuro por obras dele. Bjs e obrigada

Responder

Daniel Duclos maio 14, 2014 às 21:20

Adélia o Kröller-Müller é sensacional e fica num parque lindo. Super vale a pena a viagem. Qual dos dois eu gosto mais é complexo de responder, porque fui uma vez só ao Kröller-Müller e incontáveis vezes ao Van Gogh, inclusive pela questão da distânica – o Van Gogh fica em Amsterdam. Seja qual for que você for, você vai gostar.

Responder

Adélia junho 8, 2014 às 23:10

Olá!
Agradeço de coração pela sua gentileza e bom humor.
Seus comentários são sempre muito interessantes.
Parabéns pelo blog.
Adélia

Responder

Viviane Peduti março 31, 2014 às 11:06

Ola!
Moro em Paris e estou indo para Amsterdam nestes próximos dias.
Neste momento, no Museu D’Orsay, está havendo uma exposição de Van Gogh maravilhosa e super completa (com certeza não tem tudo, mas quase tudo!!).
Já fui na exposição aqui em Paris….ou seja, minha incrível pergunta é:
você acha que vale a pena eu visitar o Museu Van Gogh em minha visita a Amsterdam já que eu já fui na exposição temporária aqui em Paris ????w

Só terei 3 dias em Amsterdam (sendo que 1 deles irei para o campo de Tulipas), ou seja, só me restam 2 dias para fazer tudo….

o que sugere?

Mto obrigada e PARABENS pelo blog. Vc arrasa! Não consigo parar de ler!!!

Abraços
Viviane

Responder

Daniel Duclos abril 1, 2014 às 21:50

Viviane, acho que nesse caso pdoe ir fazer outros passeios, a não ser que tenha uma exposição temporária que te interesse particularmente no Van Gogh. Se Não, Amsterdam está cheia de outros museus massa também. Abs

Responder

Mateus Nascimento março 8, 2014 às 01:33

Adorei seu site fala tudo o que eu queria saber e vou usar isso muito como guia…

Responder

Daniel Duclos março 10, 2014 às 12:12

boa viagem!

Responder

ALEXANDRE julho 22, 2013 às 20:29

Oi

Gostei muito .há vários anos visitei o Mauritshuis e adorei e agora vi que voçê
disse que era a casa do tal principe de Nassau que realmente esteve uns anos
numa região do Brasil até que os Portugueses com ajuda dos indios expulsaram os Holandeses.
Adoro museus , aqui vão alguns conselhos sem ordem de preferência
MUSEU CARNAVALET – FICA NO MARAIS (PARIS CENTRO) É DA MAIRIE DE PARIS E GRATUITO
tipo casa particular com artes decorativas incliuindo mobiliário do xvl ao xvl.

MUSÉE DES ARTS DECORATIFS – PARIS -fica no edificio do louvre mas é pouco conhecido – muito bom para artes decorativas do xvl ao xx

musée cluny (PARIS) ARTE SACRA MARFINS ETC SEC X AO XVIII

MUSÉE D ORSAY PARIS MUITO BOM PARA PINTURA E ESCULTURA XIX – XX

MUSÉE DE LA RENAISSANCE -ARREDORES DE PAris
LISBOA CASA MUSEU ANASTÁCIO GONÇALVES-pq. casa com a coleção particular do colecionador artes decorativas portuguesas muito xvll e xvlll

LISBOA – fundação ricardo espirito santo silva – essencial para o sec xvll e xvlll português

LISBOA IGRELAS NOMEADAMENTE MADRE DEUS E A DE S. ROQUE -para igrejas Lisboa e Porto entram no dominio do excecional.

TUDO DE BOM
ALEXANDRE DIONISIO
ANTIQUARIO PORTUGUÊS EM PARIS

Responder

Daniel Duclos julho 23, 2013 às 22:20

Obrigado pelas dicas, Alexandre

Responder

Clarissa Donda junho 29, 2011 às 16:16

Oi, Daniel!

Sou absolutamente, totalmente, completamente apaixonada por Van Gogh. Do tipo que já leu “n” biografias, tem os livros de análise da arte dele, de análise das cartas, e inclusive tem um gato chamado Vincent, não por acaso…

O que faz com que eu coloque a Holanda no topo da minha lista de desejos de viagens… Tipo uma Meca, sabe? Em que se tem que visitar uma vez na vida pelo menos? Só para perder um dia no museu dele, curtindo tudo com carinho (o que, é claro, não me faz perder de vista as outras mil coisas bacanas que tem no país, pelas quais minha curiosidade já está devidamente estimulada pelos posts daqui!).

Ou seja, pretendo dar um pulinho por aí, até porque até agora, do país mesmo, o máximo de interação holandesa que tive até agora foi com um stroopwaffle (é assim que se escreve??) que vendia no Schipol quando fiz escala por lá.

Feio isso… preciso corrigir essa situação…

Bjos e tudo de bom para a filhota!

Cla

Responder

Simone agosto 19, 2010 às 02:45

No quesito museu de arte, para mim o melhor de Amsterdam é o Van Gogh, pois admiro um monte a obra dele.
E museu “histórico” fico com o Anne Frank, que achei bastante interessante e comovente.
Também tenho um post sobre os museus de Amsterdam em meu blog, passa lá! ;-)

Responder

Valeria julho 30, 2010 às 23:45

Parabens pelo blog! Está show! Estou indo para Amsterdã e Haia no dia 12 de agosto e adorei todas as dicas.

Responder

Daniduc julho 31, 2010 às 15:42

Oi Valeria

Fico feliz de ter ajudado. Boa viagem

Responder

Eliane Gomes julho 29, 2010 às 15:34

@ Marina: no teylers em haarlem vai logo-logo vir uma exposicao temporaria a respeito dos ateliers de arte no passado. pra quem visitou a casa de Rubens em Antuerpia, essa exposicao vai ser a cereja no topo do cake!! da’ uma olhadinha no site do museu!

Responder

Daniduc julho 29, 2010 às 15:37

Eliane: meus emails pra você estão voltando! :-O Mandei a partir do DucsAmsterdam.net e do gmail…

Responder

Eliane Gomes julho 29, 2010 às 16:08

To verificando o que e’ que esta acontecendo. ja volto ja’ ja’!!

Responder

Eliane Gomes julho 29, 2010 às 16:11

Tinha esquecido de reconfigurar o spam filter!! Se dessa vez nao der a gente usa meu outro email :-)

Responder

Daniduc julho 31, 2010 às 15:52

Ahn, ok! Vou tentar reenviar o email depois então! :)

Responder

Eliane Gomes julho 29, 2010 às 11:48

Ja’ estou na Holanda ha’ 12 anos e tbem sou rato de museu. meus preferidos sao o Teylers em Haarlem e o Rijksmuseum em Assen. Teylers me interessa pela exposicao permanente de aparelhos cientificos dos seculos 18 e 19, ate parece coisa dos livros de Julio Verne! No Teylers tem de tudo um pouco: pintura, numismatica, fosseis, etc. E’ o primeiro museu da Holanda e um museu a moda antiga. Como vivo em Haarlem, vira e mexe entro la pra ver o que ha de novo! O de Assen e’ muito especial especialmente se voce tem algum interresse na era neolitica. E’ super facil de chegar e da estacao de trem (em Assem) e’ so’ uns 5 minutos de caminhada! A Dica do Diogo e’ o’tima. Visitei o parque, museus e me diverti com as bicicletas pelo parque. Outra dica pra quem curte design: casa Sonneveld em Rotterdam – http://www.huissonneveld.nl
mais museus? Scheepwartmuseum – Amsterdam se acabarem com a tal da reforma que como em outros museos levam seculos :-S… O acervo e’ muito interessante. Aprendi muito da cultura holandesa acompanhando os exibits do museu. Estou na espectativa de visita-lo novamente. Em Haarlem, Frans hall se voce gosta de “old masters”, e De Hallen (na praca central: Grote Markt) com exposicoes inusitadas em arte moderna e contenporanea. Espero que gostem tbem dessa dicas :-)

Responder

Daniduc julho 29, 2010 às 13:33

Maravilha de comentário Eliane! Excelentes dicas! Acho que meus museus favoritos deverão ficar um tempo sem minha visita, porque a lista de museus novos rpa conhecer está aumentando bastante :)

Eu sempre quis conhecer o Scheepwartmuseum (sou doido por história holandesa), mas quando mudei pra cá ele já estava fechado (e o Amsterdam anocrado na frente do NEMO). O Teylers eu não tinha ouvido falar, fiquei bem interessado.

Obrigado pelas dicas!!

Responder

Eliane Gomes julho 29, 2010 às 16:16

Se desejar: posso almentar ainda mais a lista!! Adoro ser turista no meu pais. Pais adotado, mas aonde me sinto em casa. Eu e meu namorado estamos sempre com o pe na estrada, mesmo que for so’ pra descobrir a cidadezinha ao lado ou que outro caminho ainda nao fizemos, que programa (de indio ou nao) ainda nao curtimos. E’ onde concordo com o lema da escola de sagres, mas adaptado ao seculo 21: “navegar e’ preciso! E amo dividir minhas historias de viagem!
Dicas dadas com amor :-)!!

Responder

Eliane Gomes julho 29, 2010 às 16:31

PERDAO!!!! Mmeu portugues ta ruim demais!! aumentar e’ com U!!! meleca… fico sem falar ou ler em portugues e tudo enferruja!!! Vou ser mais cuidadosa… prometo!

Responder

Daniduc julho 31, 2010 às 15:55

Geef niet hoor! A área de comentários é mesmo mais informal, e erros de digitação são normais mesmo nas áreas mais formais (eu sou grande produtor deles, aliás). Acontece, no stress :)

Responder

Daniduc julho 31, 2010 às 15:52

Opa, sempre! Toda dica é bem-vinda. Eu escolhi colocar 5 no artigo porque é um número bom, e é preciso começar de algum lugar: ainda farei outros artigos sobre o assunto, e certamente suas dicas são muito apreciadas! Vamos trocando figurinhas aqui!

Responder

Eliane Gomes agosto 3, 2010 às 11:56

Cinco e’ o numero das viagens :-)
Escher fan! Eu tambem!
A primeira cidade que vivi na Holanda foi Arnhem, onde ele nasceu. La’ tem o Historisch Museum Arnhem com algumas obreas dele. Voce sabia que ele fez o design de um papel de embrulho para o Beijenkorf que ate hoje e’ utilizado? Tenho catalogo completo da obra dele e ate um sample to tal papel de embrulho.

Responder

Ronnie julho 5, 2010 às 23:03

Um de meus favoritos é o Boijmans museum em Rotterdam. Fico na dúvida se prefiro o Van Gogh ou o Boijmans. Gosto muito do Van Gogh, mas as melhores exposições que eu vi foram lá no Boijmans mesmo. Vale a pena também fuçar a lojinha, com várias coisas interessantes de design.
http://www.boijmans.nl/en/

Responder

Daniduc julho 8, 2010 às 17:35

Opa Ronnie, valeu a dica. esse ainda não conheço! Vamos adicionar à eterna lista pra conhecer aqui na Holanda. Agora estamos pertinho de Rotterdam, hehe.

Abraço

Responder

Diogo junho 21, 2010 às 20:17

Acabei de voltar da Holanda (cheguei ontem) e um museu que me agradou muito foi o Kröller-Müller, na cidade de Otterlo, a uns 80 km de Amsterdã. O museu abriga a segunda maior coleção de obras do Van Gogh, além de exibir trabalhos de Gauguin, Mondrian, Picasso e outros tantos artistas.

Uma coisa muito legal é o que o Museu Kröller-Müller fica dentro do Parque Nacional Hoge Veluwe, que disponibiliza bicicletas para os visitantes usarem. Então, depois de visitar o museu, dá pra fazer um passeio de bicicleta super agradável dentro do parque, que é bem bonito.

PS: É a primeira vez que comento aqui no blog, embora já o acompanhe há algum tempo. Quero aproveitar para agradecer as excelentes dicas e parabenizar pelos textos, que, além de trazerem informações valiosas, são sempre bem-humorados e me divertem muito.

Responder

Daniduc junho 22, 2010 às 13:47

Opa Diogo. Bem lembrado! Esse museu está na minha lista há algum tempo, mas ainda não tive a oportunidade de ir. Tenho de resolver isso duma vez!

E eu que agradeço pela companhia e agora pelo comentário com dica, ainda por cima!

Grande abraço!

Responder

Sarah junho 18, 2010 às 12:15

Eu concordo com a Marina, não tem coisa melhor do que ver ao vivo as obras que você ouviu tanto falar e viu apenas reproduções de baixa resolução. As pinceladas, as cores dão impressões muito diferentes ao vivo. A obra muda completamente.

Eu gostei muitíssimo do Museu do Van Gogh, da Mauritshuis e do Museu do Escher, mas acho que o meu favorito foi a Mauristhuis, pela variedade do acervo. Tem um tiquinho de tudo lá. Próxima vez que for vou atacar o museu histórico de Amsterdam!

Responder

Daniduc junho 19, 2010 às 19:17

Próxima vez que for vou atacar o museu histórico de Amsterdam!

Cê me chama, Sarah? Quero ir junto :)

Bjs!

Responder

Marina junho 16, 2010 às 17:36

Olá Ducs!
Eu AMO museus e sou um pouco suspeita para falar, pois não tenho um preferido. Tenho artistas favoritos, e procuro visitar, não só os museus famosos, mas os que atendem esse minha “necessidade” de ver de perto as obras que são especiais.
Bom, o museu do Van Gogh é realmente muito especial. Como já falaram acima, é muito interessante ver as mudanças no estilo da pintura dele, como a gente nota o que a evolução da doença causou…
Eu sou fã também da Mauritshuis, com pinturas de Rembrandt, Frans Post, Vermeer, etc. Quadros como Moça com o Brinco de Pérola, Aula de Anatomia, entre outros. O fato de possuir o “ar” do Nassau, que colonizou minha região, também encanta.
A Anne Frank huis não pode ser esquecida. Apesar de um clima, digamos, pesado, tem muito a acrescentar. Quem leu o livro pode ver e, acreditem se quiser, sentir tudo o ela e sua família passaram dentro daquela casa. Como vocês falaram ai em cima, caiu um grande cisco no meu olho e eu chorei do começo ao fim.
A Holanda tem excelentes museus, e se você ou eu fossemos citar todos aqui, não iria ser mais um post de blog ou um comentário, e sim um livro muito bom e interessante para os amantes de cultura, pois o país possui museus que expõem coisas além de pinturas e esculturas. Exemplos disso: Maritime Museum Rotterdam, em Rotterdam; Museon, em Haia (esse é bem interessante para crianças, mas vez ou outra tem exposições de fotografias); Tem o castelo de Het Loo, que eu não me lembro onde é; Nemo, em Amsterdam (também para crianças, mas muito interessante), etc. Uma infinidade de coisas legais para fazer, que o Brasil realmente deixa a desejar.
Falando em Brasil, e aproveitando o tópico, apesar do nosso país ainda deixar muito a desejar nesse ponto, existem alguns museus e institutos que são legais de se conhecer. Exemplos:
-Recife: Instituto Ricardo Brennand- São dois castelos, que ficam numa área verde linda, construido pelo próprio Ricardo Brennand. Um dos castelos, chamado de Museu das Armas Brancas, é constituido por uma coleção de armas, armaduras, esculturas, espadas, etc que o próprio Ricardo foi adquirindo ao longo da vida dele.
O segundo castelo tem exposições móveis (inclusive foi o primeiro local a receber a exposição de Albert Eckhout aqui no Brasil) e uma exposição fixa do artista Frans Post, da época do Brasil Holandês. É um local que vale a pena.
Outro local muito legal para se conhecer é a Fundação Joaquim Nabuco – Museu do Homem do Nordeste. É um museu pequeno, mas expõe muita cultura nordestina, com peças do Brasil colonial e da época da escravidão, explicações sobre o solo do Nordeste, sobre os índios, sobre a cultura de cada estado, sobre as crenças, etc.
Para quem gosta de leitura, a Casa de Gilberto Freyre é imperdível. Você literalmente visita a casa que ele morou, o jardim, as famosas pitangueiras e um memorial que foi construido, no quintal da casa. A visita é guiada, com todas as explicações, histórias e contos. Tem até um boneco sentado na poltrona dele, imitando a posição que ele escrevia.
-São Paulo: Eu ainda estou conhecendo, mas posso comentar sobre dois locais.
Museu da Língua Portuguesa: Gente, é muito, como dizem os pernambucanos, MASSA! Tem duas exposições. Uma sobre a história e o surgimentos da língua portuguesa (inclusive com um vídeo muito interessante), e a outra exposição chama MENAS, os erros mais comuns cometidos. Além disso, o local que o museu foi construido é uma obra de arte a parte: A Estação da Luz! Imperdível!
MASP- Museu de Artes de São Paulo: A arte exposta já começa na estrutura do museu. As terças feiras tem apresentações musicais, no pavilhão de baixo. Se eu não estou enganada é às 11h. No subsolo e no último andar, são exposições móveis muito interessantes. No primeiro andar, tem uma exposição sobre o Romantismo, que possui quadros dos nossos amigos holandeses Rembrandt e Van Gogh.
São Paulo e o Brasil todo tem mais uma infinidade de coisas legais para ver, mas tem que ir a caça, porque esse tipo de cultura não é muito valorizada, consequentemente, não é muito divulgada.
Voltando para a Europa, museus não muito conhecidos como O das Belas Artes, na Antuérpia; A casa de Ruben, também na Antuérpia; Chateau de Malbrouck, em Metz na França; e os conhecidos, como o Museu do Louvre, em Paris; O museu Britânico, em Londres; etc
São todos locais que valem a pena ver, pois é fascinante ver de perto obras que você passou a vida inteira ouvindo falar.
;)
Espero ter sido útil!
Abraços a todos.

Responder

Daniduc junho 17, 2010 às 11:28

Nossa Marina, esse seu comentário é um post a parte! Sensacional! Gostei muito das dicas do Brasil, especialmente. Eu não conheço Recife, mas sempre quis conhecer, e agora já tenho as dicas anotadas :)

Antuérpia só fui uma vez e não fui a museus. Essas dicas também serão postas em prática!

Muito, muito obrigado mesmo :)

Bjs

Responder

Marina junho 17, 2010 às 15:28

Ah, desculpa eu, pois eu comecei a escrever, respondendo a sua pergunta no final do post, e acabei me empolgando…. :S
Mas, fico feliz por terem gostado!

Responder

Daniduc junho 17, 2010 às 15:43

Nada o que desculpar, só o que agradecer. Como eu disse no fim do post “uita coisa aprendi lendo os comentários” e você fez isso verdade mais uma vez.

Responder

Sheila Yurgel junho 9, 2010 às 00:23

Olá Ducs,

Aprecio e já estivemos em vários dos museus mencionados, mas o meu preferido é a casa de Anne Frank.

E sem um dia tiverem a oportunidade- porque não, certo??- não deixem de visitar o Yad Vashem, em Jerusalém. Vcs não se arrependerão!!

Um abraço!!!!

Responder

Daniduc junho 9, 2010 às 01:16

Oi Sheila

Eu gostei bastante da Anne Frank huis. Recomendei e tudo no artigo das top 5 coisas, mas foi uma experiência… meio… intensa, e acabei não querendo voltar. Gostei de ter ido, é importante e tudo, mas precisa um certo preparo.

A dica do Yad Vashem está anotada! Ah, eu fui ao Museu Judaico em Berlim, e achei excelente! Recomendo bastante!

Brigado pela dica

Bjs

Responder

Anita junho 7, 2010 às 15:46

Ja visitei todos esses museus, a Holanda e’ um paraiso pra quem gosta de cultura. Ando recomendando a quem me manda um e-mail do Brasil o seu blog. Ja esta tudo explicadinho aqui. Me economiza tempo demais ! Abracos !

Responder

Daniduc junho 9, 2010 às 01:11

Oi Anita! Nossa, que legal! Muito obrigado! :D Eu também recomendo bastante o Greetings from Holland. Aliás, vou fazer isso agora: http://www.greetingsfromholland.blogspot.com/ – Foi o Google Reader que me sugeriu. Em geral não olho as sugestões do Reader, mas essa me chamou a atenção, li um artigo, li outro, acabei assinando, compartilhando no Reader, comentando e… enfim :)

Abraços

Responder

Bailandesa junho 6, 2010 às 12:45

Oi Dani, amei o post! Dessa lista, os meus favoritos são o Van Gogh e o Mauritshuis. Mas também gosto muito do Boijmans van Beuningenen em Roterdã. Vale a pena a visita!

E agora que está em Haia, não deixe de visitar o Gemeentemuseum.

Responder

Daniduc junho 7, 2010 às 02:12

Oi Cla

O Gemente já tá na agenda pra semana que vem, último dia de uma expo legal. O Boijmans van Beuningenen eu não conhecia, vou dar uma olhada. Como sempre, valeu a dica :)

Bjs

Responder

Beth junho 4, 2010 às 07:38

Mauritshuis é um museu fantástico, ainda mais considerando-se que é um museu pequeno (em comparação com o Rijksmuseum daqui). Tem cada obra belíssima, altamente recomendado pra quem curte os pintores da Golden Age.

E acredite se quiser, vou há 3 anos religiosamente a Haia (namorido) e ainda não visitei o museu do Escher, embora a gente sempre comente!!! Shame on me.

Responder

Daniduc junho 7, 2010 às 02:09

Oi Beth, tamso de acordo na Mauritshuis então :)

E quanto ao Escher… bem, nunca é tarde :D

Bjs

Responder

dani junho 2, 2010 às 21:01

Eu não coneço nenhum dos museus que você mencionou na matéria, mas estou indo para a Holanda no final desse ano e sou leitora assídua do seu site.
Tenho uma história bem legal que eu passei em um museu quando eu morei em Nova York. Lá estava eu visitando o MET, toda feliz na sessão de arte moderna (confesso que me fascina absurdamente qualquer obra dessa sessão, em qualquer museu!), quando me deparo com uma parede inteira dedicada à Jackson Pollock. Eu AMO Jackson Pollock. Parecia criança, toda chorandinha na frente daquela parede. Foi lindo… Até hoje eu dia, quando me lembro desse fato, me dá um nó no estomago e uma felicidade imensa de poder estar ali, compartilhando da arte de um dos mestres.
Enfim, precisava compartilhar a minha história com você, que é um aficcionado por museus também!
Parabéns pelo site e continue escrevendo, pois estou fazendo um roteiro baseado em muitas das suas matérias…
Beijocas!

Responder

Daniduc junho 3, 2010 às 20:54

Oi Dani

Brigado pelo seu comentário e por compartilhar a historia :) Embora arte moderna não seja minha preferida, entendo totalmente o sentimento. Aliás, eu comecei a achar arte moderna bem mais legal depois que fiz dois tours guiados pela Tate Modern em Londres (o tour é de graça). Passei a encarar de outro modo, foi muito bom.

Quanto ao Jackson Pollock: eu lembro que muito tempo atrás eu vi um artigo interessante sobre uma possível assinatura escondida dele no famoso mural de 1943, cê chegou a ver isso? Pera, deixa eu googlar.

Achei: http://www.ritholtz.com/blog/2009/09/jackson-pollocks-hidden-name/

Uma excelente viagem pra você!

Beijos

Responder

Lu junho 2, 2010 às 16:05

O Van Cogh é impressionante mesmo, eu tive o prazer de ir o ano passado, no meu último dia em Amsterdam (só fiquei 4 dias, snif). E pude entender melhor toda sua obra e vida, confesso que me emocionei até. Tive o prazer de ir visitar o museu com um local, que foi me explicando algumas curiosidades da vida e obra do artista. Sensacional, infelizmente os demais não consegui visitar. Fica para a próxima talvez. Adoro os textos casal Duc. Abs!

Responder

Daniduc junho 3, 2010 às 01:31

Oi Lu

Não tem jeito, Van Gogh emociona mesmo. E a companhia de locais é sempre um ótimo jeito de conhecer um lugar. Agora é esperar a próxima pra quanto antes! :)

Brigado pelo comentário

Abs

Responder

jorge junho 1, 2010 às 16:59

Oi, Dani!
Excelente narrativa, como sempre, realmente teu blog merece toda a divulgação possivel, tenho feito my job! hehehe
Meu museu preferido é o Van Gogh, embora não tenha tido a oportunidade de conhecer muitos dos outros.
Grande abraço!

Responder

Daniduc junho 1, 2010 às 18:46

Opa Jorge!

Po, cara, valeu a força na sua parte hehehe. É um prazer continuar contando com a sua companhia. E ainda não desisti daquela cerveja da próxima vez!

Bem, cê não conheceu (ainda) muitos, mas conheceu um dos melhores, hehe.

Abraço

Responder

rbp junho 1, 2010 às 16:07

O van Gogh é realmente impressionante. Fiquei particularmente feliz em conhecer o “Comedores de Batata”, que talvez tenha sido o quadro em cuja frente eu mais parei (sei que não é o destino mais popular no museu, mas me impressionou, tá?). Só fiquei infeliz porque, justamente, esperava ver o Noite Estrelada, meu favorito dele, que não estava lá. Mas tudo bem. I’ll be back.

O período e o estilo das obras no Rijks não são muito a minha praia, mas ainda assim o museu é animal, e foi palco de um encontro inesperado (e, ironicamente, hilário) com nosso presidente Fernando Henrique Cardoso.

Não fomos ao Historisch, falha que espero corrigir o quanto antes :)

Agora, me esbaldei mesmo foi no do Escher. Entramos na hora em que abriu, e saímos quando as tiazinhas falaram que, então, vocês sabem que a gente já fechou, né? Fiquei hoooooras na frente de cada obra. O museu é organizado pra você entender a evolução do Escher, e funciona super bem. Me deixou ainda mais impressionado com a técnica dele.

Do museu do Escher, só não gostei de duas coisas: a lojinha no final é bem fraca (pra prejuízo deles), e, principalmente, a iluminação é um lixo. Essa história de colocar a exposição num palácio é bem interessante e tal, mas faltou um cuidado técnico. Eles deixam tirar foto lá dentro (e tirei uma quantidade enorme, preciso colocar online), mas é difícil achar um ângulo sem um reflexo das enormes (e, convenhamos, bizarras) luminárias do Hans van Bentem.

Mas, enfim. No final das contas, parte do charme do museu é que ele tem bem cara de amador. No piso superior (que, aliás, recomendo fortemente: tem uma série de instalações interativas, pra você entender melhor o lance da perspectiva), um dos vídeos exibidos é um trecho do filme Labirinto, que cita o Escher pra fazer uma perspectiva impossível de escadarias. Só que o vídeo é baixado do Youtube, e vem inclusive com aquela telinha azul e algo como “ripped by D00dZ!!1!” :)

Aliás, uma das atrações deste piso superior é um vídeo mostrando como o quadro “Print Gallery” funciona. Mostrar como um quadro “funciona” parece bizarro, mas, no caso do Escher, faz todo o sentido (aliás, é o objetivo de tudo nesse andar). Filmei este vídeo e coloquei em http://www.youtube.com/watch?v=8NoXCvRGc4U

Bom, chega, meu comentário já está grande demais, e já estou com saudade dos museus :P

Responder

carladuc junho 1, 2010 às 17:25

Oi Erre,

O Noite Estrelada não faz parte do acervo do Van Gogh Museum. Ele fica no MOMA em Nova York: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Starry_Night

Nós vimos numa exposição temporária que teve no ano passado no Van Gogh chamada “As cores da noite”, que foi MARAVILHOSA! Foi a melhor exposição que já vi e a que mais me emocionou! Literamente chorei no final dela.

O Escher é fantástico mesmo, também tirei milhares de fotos lá.

Responder

Daniduc junho 1, 2010 às 18:44

Literamente chorei no final dela” – era um cisco, tá! (a gente tinha combinado já essa história, lembra mor?)

O Escher é fantástico mesmo, também tirei milhares de fotos lá.

Inclusive a que ilustra a seção do Escher nesse post!

Responder

rbp junho 1, 2010 às 19:05

Oi Carla!

Ah, sim, eu sabia que o Noite Estrelada não fica no Van Gogh Museum. Ou melhor, eu soube, depois de ter ido lá e vocês me contarem :)

Mas já sabia quando escrevi o comentário. Sei que, da forma que eu escrevi, ficou meio ambíguo. Como disse pro daniduc no gtalk, “eu não estava implicando que sabia que o quadro ia voltar, mas que eu pretendia visitar o museu muitas vezes, até calhar de ele estar lá de novo. Até notei, na hora, que isso não ficou bem claro. Mas pensei ‘whatever, é só um comentário'” :)

Responder

Daniduc junho 1, 2010 às 18:42

Fala erre

Os comedores de batatas é impressionante mesmo. A técnica do Vinent pra criar a atmosfera é… bem, impressiona :)

O lance da iluminação é um problema na maioria dos museus. Poucos acertam (O National Gallery manda muito bem no quesito. Já o Uffizi… bem, já comentei dele).

Valeu pelo vídeo, veio bem a calhar pra dar uma noção pra quem não conhece o Escher. Aliás, pra quem não conhece o Escher: conheçam! Ele é *muito* bom!

Seu comentário nunca é grande demais! ;)

Abraço

Responder

Sheila Sens junho 1, 2010 às 14:41

Meu museu favorito na Holanda foi, sem dúvida alguma, o Van Gogh. Eu já conhecia uns quadros e gostava muito das obras, mas quando eu entrei no museu e passei a ouvir as cartas do Van Gogh para seu irmão enquanto via os quadros ao vivo eu chorei sem medo (mentira, eu tava morta de vergonha). Van Gogh é meu favorito, o gênio dos gênios da pintura, e me orgulho profundamente de ter visto seus quadros ao vivo, tanto em Amsterdam como NY. Ah, o meu favorito é “Amendoeira em flor”.
Abraços aos Ducs!

Responder

Daniduc junho 1, 2010 às 15:09

Oi Sheila,

As carta sao lindas, lindas. Um homem com imenso talento, e sofreu tanto pra produzir uma obra eterna. Não me canso de voltar.

Acho todos lindos, e tenho queda particular por vários, mas se eu tivesse, assim, que escolher (sob ameaça) um quadro favorito, acho que seria o Quarto em Arles (versão do Van Gogh, claro :) Que aliás tá em restauração, e tem um blog sobre o processo: http://www.vangoghmuseum.nl/blog/slaapkamergeheimen/en/

Brigado por compartilhar, muito bom seu comentário!

Bjs

Responder

{ 12 trackbacks }

Previous post:

Next post: