Top 8 dicas de lanches de rua na Europa: minhas street food favoritas

Confessa: comer na rua é bom demais! Eu sempre curti, desde quando morava no Brasil.

Tá, eu não recomendo o dogão duas salsichas GRATES SUCO, "grates" com o S escrito invertido, do Largo da Batata em Sampa. Hey, me dê um desconto! Eu tinha 15 anos, muita saúde, pouco dinheiro e nenhuma noção (desde aquele dia, menos saúde e mais noção).

Mas enfim, quando me mudei pra Europa e passei a viajar por aqui, uma das coisas que gosto de fazer é experimentar a comida de rua. É um jeito gordo e gostoso de conhecer a cultura do país.

Sério! Comida de rua é comida pé no chão, comida que o povo consome, democrática, barata, feita e servida por locais para quem chegar e tiver algumas moedas e um estômago resistente. E é feita há tanto tempo que faz parte da alma do país.

O croquete, por exemplo, é tão instrinsecamente holandês que foi a coisa que mais os holandeses expatriados citaram que sentem falta (por algum motivo não foi a chuva constante, vai entender).

Então, hora de economizar, se empanturrar e explorar a alma local com as minhas Top 8 comidas de rua favoritas na Europa.

Comida de rua e lanches na Europa

munch munch munch

1. Fish and Chips em Londres

O fish and chips londrino inaugura uma tradição que irá se estabelecer nessa lista: pegue algo facilmente obtível e mergulhe em gordura fervente até ficar dourado, crocante e letalmente gorduroso. Quase qualquer coisa fica gostosa assim, e no caso britânico foram peixe e batatas. No caso, batata palito, não o que os americanos chamam de "chips", a batata redondinha.

O negócio é extremamente famoso, e uma das primeiras providências que tomei ao me livrar da imigração britânica com um "leave to enter" foi caçar uma birosca com fish and chips. Não fui longe, bastou dar uma volta na quadra do hotel.

Fui muito bem atendido por um balconista que logo notou minha cabacisse em termos de fish and chips e me orientou no processo de escolha (isto é, se eu queria sal e vinagre por cima da coisa toda ou não, era o mesmo preço. Eu quis). Saí aliviado de poucos pounds e carregado de gordura e gostosura. Comi sentado numa mesinha na calçada, apreciando a friaquinha londrina ao lusco-fusco, pouco antes de me mandar para a palestra do Neil Gaiman em pleno Halloween.

Foi... legal. Bem legal.

2. Šunka (presunto) em Praga

Prague - Praga

O Badá, do Minha Vida em Praga, nega, mas eu digo que tcheco vegetariano é aquele que só come bacon depois das duas da tarde.

A Carla, que não é a pessoa mais fã de carne no mundo, já tava ansiando por alguma clorofila, e, após muito insistir achou um restaurante com uma seção "vegetariana". A seção consistia de zero uma salada solitária. Continha bacon.

Juro.

Ela pediu essa mesma, e veio uma seleta de legumes, dessas em lata. Provavelmente o chef, confuso com esse conceito de "salada" tinha uma lata desde 1967 estocada pra caso a Guerra Fria descambasse pra conflito nuclear e ele precisasse de uma coisa pesada pra jogar nos zumbis.

Enfim, a República Tcheca é um país de carnívoros, e um dos melhores jeitos de viver isso é comendo um presunto de Praga, assado na rua em grandes nacos sobre um fogo aberto.

Presunto assando nas ruas de Praga

Em Praga a carne é bruta

Peça, peça, acompanhe de mostarda e da verdadeira Budvar (a verdadeira e original Budweiser que, céus, nada tem que ver com a aguinha amarela e suja dos americanos) e coma de preferência no frio com os pés enterrados na neve. Essa parte é opcional, na verdade, mas foi o que fizemos.

3. Crêpe em Paris

Ok, das brutas carnes tchecas pros delicados crepes de Paris. Da primeira vez em que fomos a Paris, sobrevivemos de crepe na rua.

A capacidade calórica de um bom crepe é tamanha que engordei uns 2 quilos, mesmo andando 14 horas por dia. Deviam fazer estudos científicos sobre isso. Sou o primeiro voluntário pra ficar comendo crepe e andando em Paris. Sofrerei muito, mas tudo pela ciência!

Na segunda vez em que fomos a Paris, resolvemos fazer a coisa com mais cuidado e seguir dicas mais locais e fingirmos que éramos moradores da cidade-luz. Isso incluiu crepe, claro, porque crepe é local (mentira, incluiu crepe porque é gostoso), mas daí fomos a uma creperia e não na barraquinha.

Paris crepe

Foi muito gostoso e se você tá curioso, eu contei tudo e incluo o endereço no artigo sobre nossas dicas dos moradores de Paris para comida.

4. Gaufre na Bélgica

O gaufre é o famoso waffle, invenção belga que se disseminou, justificadamente. Os belgas pra variar mandando bem na arte de comer (e beber).

Aliás, os belgas mandam tão bem que são bastante metidos, alegando que fazem o melhor chocolate do mundo, a melhor cerveja e que inventaram a batata frita.

Dá um pouco de raiva porque é tudo verdade (no caso da cerveja e do chocolate; quem inventou a batata frita depende de que lado da fronteira com a França você pergunta. Eu pessoalmente não me importo minimamente, contanto que as batatas sejam gostosas, e as belgas certamente são).

Voltando ao gaufre: embora outros povos comam gaufre salgado (os bárbaros!) o belga é tipicamente doce, coberto desde um singelo açúcar polvilhado até gordas caldas prontas para aquecer seu humor e seu coração (provavelmente de tanto ele trabalhar pra te carregar depois).

O melhor gaufre que comemos tinha tudo pra dar errado: foi na estação central de Antuérpia (uma linda estação aliás), uma barraquinha lá dentro, com uma tremenda cara de engana turista.

Pois enganou dois turistas: nós. Achamos que era roubada e fomos nela só porque estávamos com gula... hã... fome, e nos enganamos, era muito gostosa, e comemos lá sempre que passamos por Antuérpia.

5. Vlaamse frites na Belgica (e, ok, Holanda)

Ah, o famoso enfarte no coninho. Recomendei como uma das top 5 coisas pra se comer em Amsterdam ou na Holanda. As batatas são fritas, derrubadas em um cone de papel e, se você for seguir a tradição, afogadas em um tremendo sblorb de maionesão.

Sim, as famosas fritas flamengas (vlaamse frites) são melhor apreciadas com maionese (met mayo) para horror dos cardiologistas e amantes da culinária sofisticada. Dizem que cada vez que alguém pede uma um francês morre de desgosto, mas eu duvido porque as filas pras fritas são imensas e a França continua cheia de franceses (horrorizados com a idéia geral de "Holanda" mas ainda assim, vivos).

Além disso há toda uma polêmica de quem faz as melhores, os belgas ou os holandeses (os belgas), mas quer saber? Experimente a dos dois, se empanturre e enfarte feliz.

Ah sim: você pode pedir com outros molhos, não necessariamente maionese, e pode até pedir sem nada (não sabe o que está perdendo).

6. Kibbeling na Holanda

O kibbeling é como uma versão holandesa do fish and chips inglês sem o chips, e em vez de vir um pedação são vários pedacinhos. Tá bom, não é tão parecido assim.

Mas o peixe é o mesmo, que em holandês se chama kabeljauw (cod fish em inglês), e é também frito com casquinha (empanado, mas quando eu era moleque eu pedia bife com casquinha pra minha mãe), e é salgadinho, gordo e muito bom.

Se feito na hora, claro. Existem algumas armadilhas em Amsterdam que põem o kibbeling no microondas pra esquentar. Se você vir o vendedor fazendo isso, fuja. Gordura frita requentada é algo triste.

Mas se comprado na beira da praia, minhão! Em geral é feito na hora, sim, e nem preciso dizer que pode mandar com uma breja boa.

(De Amsterdam você chega na praia em uns 20 minutos, pegue o metrô ou trem até a estação Sloterdijk, desça e lá pegue o próximo trem pra Zandvort aan Zee. É uma praia, juro. E vende kibbeling. Que é muito mais gostoso na praia, não sei se falei.)

Zandvoort

Eu tinha uma foto melhor da barraquinha que vende kibbeling na praia, mas eu comi. A foto.

 

O kibbeling pode ser vendido, como tudo na Holanda (exceto possivelmente carros) com ou sem maionese.

7. Currywurst em Berlim

Currywurst em Berlim

Com fritas, lógico.

Ah, a curryworst de Berlim, uma síntese do espírito berlinesco. Segundo o Lonely Planet Berlin (p. 179), ela é "tão parte da trama cultural de Berlim quanto o Brandenburger Tor".

E eu nunca tinha ouvido falar.

Mas na busca de trocar ignorância por gostosuras, logo aprendi o que era e saí a caça da famosa salsicha frita e coberta com curry vendidas nas ruas de Berlim afora.

Eu não iria deixar o fato de estar fazendo menos 10 graus na noite berlinense me impedir de ficar de pé degustando a currywurst acompanhada de sorvete de maçã (que 3 minutos antes era suco de maçã).

É boa sim, mas a minha maior frustração foi a comunicação com o vendedor da barraquinha. Obviamente que ele não fala inglês. Eu falo picas de alemão. Mas após alguns anos de sofrimento, aprendi um pouco de holandês.

A desgraça é que são duas línguas germânicas com muita coisa em comum, e eu ficava no impulso louco de responder em holandês pro cara.

Talvez eu tenha respondido. OK, confesso, respondi. Ele me olhou como o alienígena que sou. Felizmente, o atendente falava Euros e dedo apontado, e não passei fome.

Nossa viagem para Berlim.

8. Kroket da Van Dobben na Holanda

Ah, pois, o famoso croquete da Holanda. Uma pequena porção de holandezisse empanada e frita, consumida fora ou dentro de um pequeno pão macio (caso em que o kroket vira um broodje kroket), em geral tuchada de mostarda (não confundir com o líquido amarelo que o McDonald's oferece em sachês, tô falando de mostarda mesmo).

O recheio não é abundante (provocando injustificadas tiradinhas sarcásticas aludindo ao extremo senso de economia holandês que povos mais esbanjadores confundem com pãodurismo), mas na medida certa.

A mera lembrança do singelo lanche arranca suspiros dos expatriados holandeses, enchendo suas mentes de imagens de terras baixas, frias e varridas por um gélido e constante vento (exceto duas semanas em abril) e suas narinas do cheiro das bicicletas em flor, suspiro...

Bicicleta na Holanda: primavera

Se você quer saber o gosto da alma holandesa, coma um kroket — alguns dizem que do Febo, outros da Van Dobben, ah, dane-se, o artigo é meu, o da Van Dobben não tem nem comparação com o do Febo. Duvida? Experimente os dois, mas não ao mesmo tempo, e pondere a questão cuidadosamente enquanto anda pelas ruas de Amsterdam a mascar e exclamar em intervalos:

— Lekker hoor!

Esqueci algo? Compartilhe a gordice!

Essas são as minhas favoritas, mas tenho certeza de que tem muito mais por descobrir. Me ajude e conte aí nos comentários quais as comidas de rua que você acha imperdíveis.


Procurando hotel pra sua viagem?

Eu escrevi um artigo com muitas Dicas de hospedagem.

Se você fizer sua reserva através dos links aqui no Ducs, eles repassam uma comissão pra gente. Então é uma forma de apoiar o Ducs em Amsterdam e ainda descolar um lugar legal, ter suporte em português! :) Todo mundo ganha!

Ah... e o Booking lista hotéis no mundo todo! Não precisa ser só em Amsterdam!

Ingressos pra atrações em Amsterdam

Outro jeito bacana de retribuir o Ducs e ainda se dar bem é comprar ingressos online comigo. Assim você evita ficar tomando vento em fila quando você devia estar passeando e dá uma força preciosa.

Dá uma olhada na página de ingressos do Ducs Amsterdam!

Vem pra Amsterdam (ou qualquer parte do mundo) com a KLM via Ducs!

E, pra completar, o Ducs Amsterdam tem uma parceria com a KLM. Eu recebo uma comissão e você não paga absolutamente nada a mais por isso! É apenas uma maneira de ajduar o blog e conseguir uma passagem por um bom preço em uma emrpesa de prestígio. Para usar, busque sua passagem para o mundo todo clicando aqui!

Pessoal, o Ducs só existe com a força de vocês! Então, divulguem, comentem, usem os serviços que o Ducs oferece e vamos que vamos! Obrigado pelo seu apoio - isso é sério! Eu sou muito grato a você!

Posta uma foto sua seguindo uma dica do Ducs no Instagram e marca com #ducsamsterdam pra eu ver você!

{ 98 comentários… leia abaixo ou deixe um }

  1. Thaís Abrão diz

    Oi Daniel, tudo bem?

    Tu esqueceu de uma coisa muito "de rua" e muito boa e nutritiva (principalmente para quem foi intercambista com grana curta, como eu)!
    Sabe as PITTA'S, também chamados de KEBAP?? Quando morei na Bélgica comi muito disso na rua. Tá certo que a "iguaria" é lá das bandas da Turquia, mas vale muito a pena. São aqueles enrolados de pão sírio com "carne giratória" e legumes a escolher. Muito bom!
    Terça, dia 08/01, estou voltando para a Bélgica para visitar a família hospedeira. Certamente vou comer um destes para relembrar os velhos tempos! Ahhh, parabéns pelo blog! Tua forma de escrever e senso de humor prendem a gente!

  2. diz

    Daniel, sou mega fã da sua página!!! Entrei no RBBV agora pouco mas sempre te acompanhei aqui (passei um mês na Holanda e tu me ajudou mto!!) qdo entrei no grupo fiquei toda boba de ser sua "colega". Claro que, meu blog, ainda é amador, em qse tudo pois não manjo muito de como converter pra wordpress e etc e tal mas ele tb é feito com carinho (brega mas verdade) hahahaha. De qq forma, acabei de curtir o DUCS no face e vi esse post. Como eu AMO comidas típicas e sou uma viciada em tirar foto do que como, tive que vir aqui no post e colocar 2 comidas de rua que eu amo de paixão. Uma se chama Zapekanka e é um fast food típico da Polônia. Simplésimo, é uma fatia de baguete com queijo e pasta de cogumelo. Daí derivam-se milhões de misturas, acrescenta-se salsicha, salame, queijos, mostarda e afins. É muitooo bom!!!
    O segundo da minha lista é o Burek, um salgado - tipo folhado - de carne originário da Bósnia surreal de delicioso!!! Quentinho do forno, é imbatível, meu favorito de todos!!!
    Bjos

    • diz

      Oi manoela! ue legal! É uma honra ter sua companhia aqui e na RBBV :) Muito legal saber que pude ajduar na sua viagem!

      Fazer o blog com carinho é o principal, o resto é consequencia e vem com o tempo!

      Brigado pelas dicas! Infelizmente não conheço ainda a Polônia nem a Bósnia, ams já sei o que procurar quando for! Bjs

  3. Luciana diz

    acabei de visitar Amsterdã e Bélgica pela segunda vez,,,deveria ter lido as suas dicas antes :-(....mas valeu,,,,outubro to por aí de novo,uhuuuu

  4. diz

    Adorei! Curto muito comida de rua. Vou pra NY em julho e já estou com uma pá de lugares pesquisados para provar e depois contar hehe :-)

  5. Louise diz

    Aaah... como eu queria visitar outros países. Eu tenho 13 anos, mas eu me interesso bastante por outras culturas. Holanda é um dos países que mais admiro, na verdade... Os países germânicos me agradam. Eu fico realmente irritada quando eu vejo que ninguém conhece tais países, apenas conhecendo os mais famosos: EUA, Inglaterra, França e,alguns, Portugal. Eu tenho uma lista de 3 países que adoraria visitar:
    1- Japão, mais pela cultura nórdica, de Hokkaido.
    2- Holanda, pela cultura em geral e pelo povo.
    3- Noruega, dizem que as pessoas e o convívio de lá são muito bons.
    É claro que eu adoraria visitar países como E.U.A. e França... (aliás, França me parece ser muito atrativo) Mas eu conheço várias culturas de países um tanto quanto não reconhecidos pelo turismo central, digo, o turismo "clássico".
    Desabafei hahaha... Mas é isso.
    Eu já li esse post umas 3 vezes e cada vez que eu leio eu percebo que não tinha lido uma parte :S mas bem, eu nunca saí do Brasil, e não viajei muito nesses 13 anos... Mas tenho vontade. Ah, como tenho.
    Meu irmão irá fazer intercâmbio em julho para os E.U.A. e eu vou visitá-lo entre dezembro e janeiro. Eu acho a cultura americana (dos E.U.A.) muito vulgar, até. Mas acho que será bom ^w^.
    Eu estava pensando em fazer também, ano que vem no meu 1º ano, pra algum país da Europa ou Oceania. Mas o trash é que eu não tenho inglês britânico, e não consigo me adaptar (apesar de que acho muito bonito). E alguns familiares meus falaram que a Austrália estava tendo recentemente muito preconceito contra os brasileiros, e que na Nova Zelândia estava tendo muito tráfico (de quê, não sei).
    Eu ainda estou vendo isso, afinal tenho mais de um ano inteiro pra pensar... mas você poderia entrar em contato comigo? Eu vejo que esse blog não é atualizado... D= uma pena, eu adorava ler por aqui. Eu moro em Recife, Pernambuco, e aqui não vendem os stroopwafels... uma pena, pois queria muito prová-los com uma boa xícara de café quente.
    Já tive oportunidade de provar as batatas belgas, e são realmente muito boas :3
    Abraço pra ti.

    • diz

      Louise

      Muito legal sua atitude. Explroar o mundo é uma das coisas mais legais pra se fazer. O blog na verdade foi atualizado diversas vezes, mas com artigos exclusivo pra quem se inscreveu no email na caixa amarela do lado direito no alto (Onde diz "Incluindo artigos exclusivos" Poisé, eu não tava brincando :)) O último foi sexta-feira passada, por exemplo. Se você curtiu o blog, sugiro que você se inscreva pra receber as atualizações (assim você recebe as públicas e as exclusivas).

      Abraço

  6. diz

    Magnífico post, me diverti horrores. Lembrei daquela. O cachorro quente que parece um banquete, que oferece desde batata frita até queixo ralado e tem o nome de Passaporte para o Inferno servido nas noites geladas de inverno portoalgrense enriqueceu seu dono que vendeu o ponto por uns três milhões de dólares (ficava no Parque da Redenção e matava a fome dos peraltas notívagos). Clones surgiram por toda a cidade. É famosa a história do magrinho meleca de fala mole super hiper plus cool que quis atender a larica com um Passaporte e ficou olhando para o atendente que não gostava de cabeludo. Quer milho? perguntou o dono da barraca, de mau humor. Sóóó, disse o prejudicado. Emtão, de sacanagem, o cachorroquentista colocou SÓ milho. Já contei essa história mil vezes. Gosto dela.

  7. diz

    Eu adoro comer cachorro quente de rua em Nova York... É simples, mas é uma das minhas comidas de rua favoritas.

  8. Vladimir diz

    PARABÉNS pelo Site.
    Já tinha ouvido falar, mas, nunca havia visitado.
    Vou pras Orópa em Junho!!!
    Estou aqui para engrossar o coro da BRATWURTS. Realmente, não tem lanche melhor!!!
    Abraços.

  9. claudia arruda diz

    Olá ..fiquei ai dia 17,18,e19 de fevereiro de 2012 andei uns 50 km de bike kkk adorei ..pelo pouco tempo q fiquei ,muito linda a cidade mas meu marido achou q tem muito lixo nas ruas e muita bike abandonada...ng faz nada? é assim mesmo?Apesar de td amei a cidade...é uma bagunça organizada rs

  10. Christie diz

    Ola',
    Chego na Holanda agora na semana da pascoa e quero economizar o max. possivel; aqui em casa tenho fama de gastona. Ja' vi que existem boas op,coes de "comida de rua" e ja' li dicas suas de descontos em supermercados.

    So' queria confirmar com vc se da' realmente pra tomar agua direto da torneira do hotel ou do studio que vier a alugar. valeu e espero ver vcs e toda holanda com os animos renovados neste 2012.

  11. Yvette diz

    Ducs, estou indo fazer um curso de verão na Academia de Direito em Haia, dei uma olhada no seu site toda, já conheci Amsterdam, mas tem várias coisas que quero fazer de novo (e comprei o guia! hahaha!), mas queria sua opinião sobre uma coisa.. Acha que vale a pena alugar um apartamento por dois meses (estou indo com mais uma amiga), pois só em acomodação na "casa de família" iremos gastar cerca de 2500 euros, como você morou lá, poderia dar uma sugestão ou diga... Obrigada desde já, Yvette Farias

  12. Sabrina Kubo diz

    Não sei porquê todo mundo tem um puta preconceito à respeito do McDonalds... é barato e em todo lugar do mundo tem! Admitam que de vez em quando, é bom mesmo se entregar aos prazeres do Big Mac! Eu adoro descobrir McDonalds alheios pelo mundo: na Holanda comi o famigerado McKroket e na França comi um kebab super apimentado maravilhoso! Por merrequinhas de euro!

    • diz

      Eu não tenho preconceito: eu tenho pós-conceito contra o Mac Donalds. Apesar de no começo não ter nada contra, passei a ler e estudar sobre ela, e desenvolvi uma forte aversão a ela. Pode ser que você discorde de mim, mas não pdoe me dizer que é preconceito: eu efetivamente fui atrás de informação e embasamento sobre o assunto.

  13. Tiago diz

    Daniel,

    Acompanho o blog desde junho do ano passado quando comprei passagens para Amsterdam. Amanhã chegou a hora de embarcar com minha esposa.

    Obrigado pelas dicas! Espero ter uma viagem inesquecível!
    Abs!

  14. Julia diz

    Duc e os broodjes surinameses!?!?!?
    Agora que estou fazendo o prénatal e meu caminho me força a passar lá pela Kinkerstraat a cada duas semanas (ó céus!), já virou tradição: é apalpar o nenê (êêê!) e logo em seguida encher o bucho de surinaamse broodjes... hmmmm é viciante (e o nenem adora!)! Recomendo o surinamês lá na esquininha da feira do Ten Kate e - melhor, mas muito melhor ainda - top of the pops é o surinamês que fica escondido lá no submundo do metrô do Waterlooplein! Eles têm um broodje de carne num molho escuro e suculento... e pode tacar montes daquele "heet en zuur" que é muito saboroso além de arder pacas.

    Ah, e já que estou recomendando deixo mais um surinamês (aliás, shame on me, só fiquei sabendo da existência dessa cultura e cozinha que virou parte inseparável da minha vida, ao chegar em Amsterdam... parece que nós no Brasil nunca falamos muito do Suriname, né? Pra mim, nem existia...): o restaurante Riaz na Bilderdijk! Meu, se vocês ainda não experimentaram, é um MUST: Roti Kipfilet speciaal com muito, mas muito do Chutney caseiro deles que é um escandalo de saboroso. Nós somos tão viciados que sempre pedimos uma porção extra do chutney. Já quisemos descoobrir a receita, mas é segredo sagrado deles...
    Enfim, este prato é pra comer se lambuzando mesmo: vem com uma panqueca (o tal do Roti) que você vai arrancando pedaços e molhando no molho de vagem, batata e frango... hmmmmmmm!!! Uma baita refeição, e é sem dúvida, o melhor Prato Feito da cidade... acho eu!

    Aiaiai... outra vantagem destes locais é que cada um deles tem o seu "flair" completamente relaxado... nada fancy. É rádio barulhento ou até fundo musical de karaoke (pode?!?!), luz fria e aquele povo surinamês que é uma mistura surpreendente em si. Ah, sei lá: eu curto.

    Bom deu pra ver que eu sou fã, né? Desculpa lá o entusiasmo, devem ser os hormônios...

    Abraços! Aguardo o próximo post!

    Julia

    • diz

      haha Julia, deu pra ver. Cê me deixou com vontade! Eu sempre fico tentado pelo cheiro do surinamês no fundo da Waterlooplein, mas nunca parei, sempre passo lá correndo. Hm, agora com recomendação vou parar 😛

      E parabéns pela gravidez. Cê viu o artigo do Ducs sobre o assunto? http://www.ducsamsterdam.net/gravidez-na-holanda-bebe/

      Ah, o melhor pra não perder o próximo post é assinar o ducs por email, no formulário amarelo lá em cima. Além de ser garantido, você ainda recebe posts exclusivos. Por exemplo, já sairam mais dois posts depois desse, mas só quem assina recebeu. Um pequeno agradecimento pra quem é fiel leitor do Ducs :)

      Abraços

        • Julia diz

          Pronto, tá feito. Agora já tem como eu ler os tais dois posts que sairam nos entretantos...?
          Ah, e respondendo: sim, já conhecia o seu post sobre gravidez na holanda e inclusive recomendei para uma aluna minha de Utrecht, que é jornalista da radio1 e está pesquisando para uma reportagem sobre a mania de cesáreas no Brasil. Eu falei pra ela te contatar através do blog, caso fosse usar alguma coisa ou precisasse de mais informação. Tudo bem ter feito assim? É que não entendo muito de etiqueta de internet...

  15. Thiago diz

    Estou vendo que vou ficar mais gordo que um leitão aí. Chego dia 12 de abril de 2012

  16. Olívia Leghner diz

    Kebab!! Turcos por todos os lugares na europa, principalemente aqui na Dinamarca! Tem uma barraquinha de kebab em toda a esquina!!

  17. Severo Ulisses diz

    Ola Duc. Sempre dando uma passada por seu blog. valiosas dicas de amsterdam. Estou retornando pela 4º vez, agora, no período do carnaval. Passagem certa no Portugália, Gravez e no Vyne.

    Abç

    • diz

      Fala, Severo, valeu pela companhia! Se quiser assinar o Ducs por email (é de graça, claro) é só preencher o formulário. Além dos artigos abertos, ainda sai alguns exclusivos pra quem assina, com dicas extras.

      Grande abraço e boa viagem

  18. Rose diz

    Um ano novo próspero para você e família.
    Parabéns, dicas maravilhosas que segui quando estive em Amsterdam
    com minha família. Sua forma de escrever com humor e inteligência faz
    toda a diferença.

  19. Lica diz

    Apenas retificação - assim vc vê por quê escolho as salsichas erradas: não é bratwürst e sim bratwurst! Essa coisa dos acentos podem mudar todo o pedido!
    Um abraço

  20. Lica diz

    Daniel,
    Tenho me divertido um bocado com vc e sua esposa Carla. Tudo começou com ela, pois estou numa fase meio housewife e estou tentando o meu maximo cozinhar. O que tem sido bem divertido, pois nunca dá certo (perco receitas, salgo demais etc... mas nunca me aborreço, na verdade tenho acessos de riso)!
    Hoje então descobri vc no site da Carla e sua receita de peixe. Mas o mais divertido foi ler seu passado como "não sei cozinhar e meto o pé no fast-food". Ja caí na gargalhada ali mesmo, pois apesar de ser mulher (coisas que muitos pensam que é diretamente associado com ser boa na cozinha), entao me identifiquei demais com vc. Agora estou ainda mais na gargalhada pois compartilho com vc: nada melhor do que comida de rua, tipo barraquinha da feira no Brasil, e aqui na europa muita bratwürst na alemanha, por exemplo (o problema é que me enrolo ainda com o idioma e as vezes peço a salsicha errada!). Enfim... estou descobrindo com vcs que essa coisa de comida e cozinhar pode ser bem divertido!
    Obrigada e viva a street food!
    Um abraço

  21. Elizabeth Raposo diz

    Olá
    Como está o frio aí??? Tô indo pra Amsterdam semana q vem (14/02).

  22. Ana diz

    O kabeljauw holandês é o bacalhau que nós portugueses amamos (a própria palavra «bacalhau» foi o resultado de andar a trocar as sílabas da palavra holandesa), embora creio que o nosso é conservado e comido de maneira diferente (as famosas 1001 receitas com bacalhau) e em ocasiões distintas.
    Aqui as comidas de rua mais populares são as farturas (um bolo em forma de rolo coberto por açúcar e canela), churros (mais finos que as farturas e com cobertura de chocolate, creme pasteleiro ou «doce» de morango), e sandes de courato (pele de porco) e outras carnes. Agora começam a ser populares os gaufres.
    Um dia vou experimentar todas essas comidas.

    • diz

      E eu um dia vou experimentar essas dicas de Portugal :) O churros tem no Brasil e eu adoro, mas não sei se são parecidos ou só compartlham o nome. Bem, só há um jeito de saber... 😉

      Abs

  23. Fabrício Carraro diz

    Só posso falar com propriedade das guloseimas russas, já que em Amsterdam eu comi no McDonals (mas...mas...mas tinha internet!) e em Madrid eu e a patroa comemos um garpacho bem meia boca com uns lanches de jamón. Apesar de ter AMADO Madrid, não gostei do que vi de comida, mas como fiquei apenas 1 dia não posso julgar.

    Enfim, sobre os russos:

    - блины: Nada mais são do que as nossas panquecas, mas eles têm até fast-food no shopping. Quando em Moscou, eu queria comer todos os dias!

    - борщ: Sopa de beterrabas. Não sou muito chegado em sopas, mas não quis fazer feio pra sogrona e queimei a língua, não pela quentura da sopa, mas pela gostosura da mesma! Muito boa mesmo! Eles geralmente servem com um creme de leite amargo (сметана) mas eu dispensei. Também vende em qualquer shopping!

    Abração Ducs!

    • diz

      Fala Fabrício. Sensacional, dicas da Rússia. Tão anotadas, porque um dos meus projetos de vida é viajar pra Rússia um dia. E como tá o domínio do idioma? Rola conversar já?

      Abração

      • Fabrício Carraro diz

        Fala Daniel!

        Então, atualmente eu to estudando realmente a sério o russo e o holandês.
        Pra holandês, to usando o Assimil e to na aula 34. Já consigo conversar muito bem via chat (sobre assuntos cotidianos e/ou futebol), quase sem usar o Google Translate, mas meu ouvido ainda ta muuuuuuito ruim, não entendo quase nada que eles falam quando assisto algum filme ou algo assim. Recomenda algum seriado ou algo assim holandês pra eu acompanhar com legendas e tentar melhorar minha audição?

        Já com russo eu to um pouco melhor. Estudei sozinho um bom tempo, e fiz o Russo 2 e 3 na UNICAMP. Esse semestre vou fazer o Russo 4 lá, mas além disso to praticando toda semana com um livro de textos, traduzindo e aprendendo vocabulário, porque do grosso da gramática eu já aprendi praticamente tudo. Consigo conversar já em russo, entendo até razoavelmente bem, mas eu respondo com muitos erros (saber a gramática e conseguir usar ela em tempo real são coisas completamente diferentes =P). Mas fiquei feliz por semana passada ter conseguido manter uma conversa de quase 1 hora em russo/português, sendo o "tradutor" em uma conversa comigo, o pai de uma amiga da patroa (russo) e o marido da garota (brasileiro).

        Grande abraço e bom "carnaval" pra vocês! =)

  24. diz

    Amei o post!!!
    Aliás, embora não seja a pessoa mais assídua aqui nos comentários, adoro os textos do blog e o senso de humor!! :)
    Olha... colocaria ainda uma coisa na lista: salsichas alemãs (knacker, bratwurst)... qualquer uma que seja umas três vezes mair que o pão ta valendo... Eita coisa boa!!! Vale ainda incluir os Bretzels.
    Fiquei com uma vontade danada de provar o tal do presunto de praga!

    • diz

      Oi Ivana, que legal! Embora eu aprecie a companhia sempre, com comentários é muito mais legal :)

      presunto de Praga tem uma vantagem especial: fica em Praga, que é uma cidade muito legal, então recomendo duas vezes, hehe.

      Um abraço

  25. diz

    Bratwurst no pão francês!! Ai ai ai, os holandeses que me desculpem, mas dá de 10 a 0 naquela rookworst do Hema. O Gustavo lembrou bem, disse que comeu em Bremen. A que me emocionou foi a da Hauptbahnhof de München, tbm na Alemanha. Voltei o quanto pude e comi de joelhos.

    Fiquei feliz da vida quando achei uma barraca de bratwurst na Leidseplein, em Amsterdam, agora no fim do ano. Pensei: há, estou em casa, já posso morrer nessa cidade!

    Mas por falar em comidas de rua, de férias em São Paulo também matei saudades de várias. A mais clássica: pastel de feira. Yummy!

    • diz

      A bratwurst é sucesso total aqui nos comentários, entrou reto no primeiro lugar na lista das próximas glutoseimas a serem experimentadas. Agora é agendar uma viagem pra Alemanha 😀

  26. diz

    Eu comi o curryworst em Berlin e vale muito a pena, queria comer todos os dias. Vale muito a pena principalmente na noite depois de alguma balada já que as lanchonetes ficam abertas até mais tarde.

  27. Gustavo diz

    Algo que eu comi muito nas ruas de Bremen/Alemanha foi a bratwurst num pão francês bem molinho com 2kg de mostarda (hehe) em cima, acompanhado de fritas (pommes) com maionese 😀

    E o bom dönner kebab, que tem a versão sem pão que eu também adoro (dönner teller), que vem num prato com carne e repolho, sour cream por cima e batatas fritas. PQP, como sinto falta disso :(

    Mas acredita que passei 1 semana em Londres e não comi a fish and chips? Da próxima vez não pode passar...

    Valeu pelas dicas, está tudo anotado pras próximas viagens 😉

  28. diz

    toas essas batatas me lembrou da historia do rei germanico que, para combater a escassez e comida, tentou impor que camponeses comessem batatas. Foi um fracasso. Entao ele mudou de tatica. Elegeu as batatas como alimento real e pos um guarda para cuidar das plantacoes (mas nao cuidar muito bem), porque os camponeses sabiam que se algo tinha que ser guardado, devia ser valioso e logo haviam plantações e mais plantações clandestinas de batatas por toda a germania

    rs

  29. Luiz Alberto Spohr diz

    Meus parabéns pelo teu blog. Pela primeira vez vejo um blog que não te manda para aqueles restaurantes onde a conta não é menor do que 100 euros. Comer na rua, fantástico ...

  30. Prisiilla Ochoa diz

    Cara, e os famosos kebabs ???? Eu não vivo sem! Os melhores são os do Leste! Polônia, Rep. Tcheca.... yummy!!!

    • diz

      Opa Priscilla, eu ainda Não experimentei um kebab, tem bastante aqui, mas desconfio que nem deve se comparar com os do leste, aqui eles têm uma cara meio triste... vou ter de viajar para experimentar...

    • diz

      Oi Raquel, que delícia. Só não deixe os holandeses ouvirem você chamar a Museumplein de Museumplatz (que é a mesma coisa só que em alemão), que eles ficam muito dodois quando confundem holandês com alemão hehe. Abraçãi,

  31. Marcelo diz

    Daniel , parabens , seu blog e seu humor sao muito cativantes.
    Estarei agora (se Deus quiser ) em 14 de fevereiro de 2012 pegando voo da KLM SP->AMSTERDAN->PARIS. Ficaremos tres dias em Amsterdan e 5 dias em Paris e será dificil completar parte das Dicas Fabulosas ai de Amsterdan escritas em seu Blog (tentarei comprar seu guia) alem das dicas do conexao Paris. Fica aqui o meu muito obrigado a Voce e sua "Santa" Carla, sucesso e felicidades para voces dois. Quem sabe nao te pago um belo Espresso ai mesmo na Holanda.
    Marcelo e Marte

    • Marcelo diz

      Desculpe mas o nome de Minha esposa saiu errado, o correto é Marta e nao Marte (apesar de as vezes achar ela de la)
      abs
      Marcelo

    • diz

      Oi Marcelo, que legal que as dicas ajudaram! Muito obrigado pelas boas palavras e pelos votos, e desejo uma viagem maravilhosa para você e pra Marta. Se der certo de a gente encontrar vai ser legal (se procurar a gente acha espresso bom aqui ;))

  32. Mr. Gueda diz

    Eu gosto do broodje beenham met honing-mosterdsaus, tinha aos montes no dia da rainha. Vale à pena provar!

  33. Sabrina Kubo diz

    Eu amoooo kibbeling e amo croquete!
    E outra coisa de rua que eu adoro em Amsterdam é o Wok to Walk, ai como eu adoro aquele wok de noodles bem ensebado e gorduroso... que saudade!

      • Sabrina Kubo diz

        Cumaaaa?
        Você NUNCA entrou naquela portinha apinhada de turistas e amsterdamers pedindo seus woks?

        Cara, será a experiência mais linda da sua vida! Na Av.Paulista anos atrás ( nos nossos anos de faculdade de Letras - entre 2002 e 2005) tinha um tiozinho que vendia yakisoba perto dum ponto de ônibus. A diferença do Wok to Walk pro tiozinho da Paulista é que no Wok to Walk você escolhe os ingredientes e NÃO virá só macarrão! Apesar de ser só macarrão, de ter aquele tratamento chinês ( quase ser atendido com rosnado canino e cabo de vassoura na mão!) , e de não ter um único pedacinho de carne ou frango, quando ele colocava aquele óleo de gergelim no wok, o ponto de ônibus inteiro ficava babando alucinado de fome! Ele vendia mais pela fome dos outros do que pela gostosura da comida! hehehe!

        Tira essa bunda do computador, enfrente os 20° C negativos da rua e vá AGORA mesmo no Wok to Walk!

      • Sabrina Kubo diz

        Infelizmente não irei à Holanda esse ano... #pobrezadoi

        Mas ano que vem estarei nas filas pedindo meus krokets, meus kibbelings, meu poffertjes ! Ai que saudadeeeee!

  34. Enaldo Soares diz

    Recomendo vivamente os sanduíches Falafel de Paris (Moaz, L'As du Fallafel e Chez Hanna) e os croissants de qualquer padaria parisiense.

  35. diz

    Dani, ainda bem que acabei de almoçar e a fome está saciada, senão estaria devorando este e-mail ou post. Coisas que amava an Holanda: o Kibbeling (morava em Monnickendam, conhece? se não conhece precisa visitar, fica a caminhod e Volendam e tem um porto magnifico e tem um Pannekoeken Haus delicioso e muito tradicional)Então... O Kibbeling de klá foi-me apresentado pela ex-sogra num dia de muita chuva. Um pedação de file de peixe, muito aprecido em sabor com a sossa pescada branca envolta numa crocante casquinha... heerlijk! Os Vlaamse fristes!!! hummmmmmmmmm...jesuis...eu me deliciava...amo maionese e tb curtia os molhos agridoces. Nãoe xperimentei a versão belga mas duvido q seja tão boa quanto a versão holandesa...o coisa boa sô! Agora, a minha versãod e kroket favorito era FEBO...tb muito bom. Fish and Chips não são guardados na memória pois a primeira e ultima vez que experiemntei isto foi em 1986 e cara...deu revertério q não gosto nem de lembrar...Mais uma vez algo gostoso de curtir lendo seus posts.. Beijinhos na Carla, fale pra ela q perdi o sucesso do Pannetone do Natal mas q em breve visito o "Entre Panelas" para buscar os comentários do sucesso da receita. Beijos na pequena que deve estar maravilhosa.

    • diz

      Oi Angelica

      Poxa, se o kibbeling já tava na lista, esse de Monnickendam ganhou prioridade, ainda mais que lucro conhecer mais um lugar na Holanda junto! Brigado pela dica! Os recados foram dados, um beijão!

  36. Maristela Bernardo diz

    Divertidíssimo o texto! Além disso, o teclado do computador está aqui todo babado. Como é bom isso de comida de rua! Que se danem os médicos, um dia ainda vou fazer o périplo de rua do Daniduc!

    • diz

      *anota anota anota* Tá na lista! Lembro que comi muito bem na central de Berlin, vamos fazer o comparativo lá em Munique ainda!

      • diz

        Aceitei o convite 😉 Munique, quando?

        PS.: casal em sintonia, falei da Bratwurst de Munique lá embaixo antes de ler o comentário do rbp aqui.

  37. Marcio Oliveira diz

    Oi Ducs, tudo bom?? Bom, do que você já experimentou e eu também aprovo com louvor: √Crepe, √Fish 'n' chips, √Waffle belga...mas cadê a pastiera (torta italiana)?? Vocês não provaram??? Bom, quando vocês forem a Grécia, e se vocês gostarem de iogurte, vocês irão conhecer "O" iogurte...Depois que eu o conheci, dispensei todos os iogurtes brasileiros e esses frozens-yogurte daqui do Rio...Quantas saudades!!! Kkkkkk!!!! Abraços!!!

    • diz

      Fala MArcio. Comemos o igurte grego aqui na Holanda e já era sensacional. Quando for pra Grécia terei de tirar a prova!

      A pastiera não conheço, o legal de fazer artigo assim é descobrir mais dicas! valeu, abração

  38. isaac diz

    Sempre achei que essa história de as batatas belgas serem as melhores era conversa. Até provar as danadas :) Realmente são um espetáculo como poucas coisas na vida. Entre essas outras poucas coisas certamente está o croquete holandês. Em Amsterdam comi croquetes no Van Dobben, do Febo e no De Spansee Ruiter (que vende croquetes do Van Dobben congelados) e todos eles eram muito bons (os do Spansee Ruiter tinham algo de diferente e especial, talvez a gordura velha acumulada na fritadeira :)).

    Recomendadíssimo também é o currywurst (acompanhado de batatas fritas, purê de batatas ou pão). O molho (ou molhos, já que muitos vendedores usam receita própria, de família) é muito saboroso e o prato é difícil de reproduzir em outros países em função da dificuldade de encontrar linguiças equivalentes às alemãs. Vale a pena provar.

  39. isaac diz

    Sempre achei que essa história de as batatas belgas serem as melhores era conversa. Até provar as danadas :) Realmente são um espetáculo como poucas coisas na vida. Entre essas outras poucas coisas certamente está o croquete holandês. Em Amsterdam comi croquetes no Van Dobben, do Febo e no De Spansee Ruiter (que vende croquetes do Van Dobben congelados) e todos eles eram muito bons (os do Spansee Ruiter tinham algo de diferente e especial, talvez a gordura velha acumulada na fritadeira :)).

    • diz

      Hahaha, boa Isaac, o importante é avaliar diretinho e não ficar só na experiência passado. Eu mesmo de vez em quando mando um do Febo só pra ver se o do Van Dobben continua melhor 😉 Ainda vou experimentar o da De Spansee Ruiter, valeu a dica. Abração

  40. Thais Pereira diz

    Amei o post!!!! Vou anotar todas as dicas e espero utilizá-las em breve.
    Nas ruas da Suíça, você encontra barracas que vendem a salsicha do tipo cervelas com um pedaço de pão e muita mostarda. É muito bom!!!!!!! Recomendo!!!!

    Thais Pereira

  41. diz

    Próxima vez que for a Amsterdam vou experimentar o Kibbeling. O fish and chips está na minha lista, assim como o crepe. Vou ter que agendar algumas viagens.... ;p

Trackbacks